Venda online e o coronavírus: entenda essa relação
Black Friday 2020: Como preparar sua loja virtual

Tudo o que você deve saber para criar a árvore de categorias do e-commerce

Publicado em: • Última Atualização:

Criar uma árvore de categorias é essencial para o sucesso nas vendas de uma loja virtual. Isso porque é por meio dessa prática que os clientes que entram no site conseguem encontrar os produtos de seu interesse.

Quando as mercadorias não são categorizadas corretamente, o consumidor se perde na loja e acaba não encontrando o que procura. Isso faz com que ele simplesmente deixe de comprar. Além disso, o e-commerce passa a transmitir uma imagem de empresa desorganizada.

Ficar com uma imagem negativa na cabeça do cliente é muito ruim para os negócios porque, se a pessoa não teve uma boa experiência de compra, dificilmente ela voltará a acessar o seu e-commerce.

Ter os produtos organizados facilita a navegação e melhora a experiência de compra do cliente, o que ajuda a aumentar a conversão. Daí a importância de o seu e-commerce ter uma árvore de categorias. Mas do que isso se trata? Como criar uma em minha loja virtual? Vamos responder essas e outras perguntas ao longo deste post. Vamos lá?

O que é uma árvore de categorias?

A árvore de categorias é toda a estrutura do e-commerce, que é vista no menu da loja, de forma bem superficial. É como se ela fosse um esqueleto humano, composta de diversas partes que dependem uma das outras.

Vamos a um exemplo básico: você entra em um site que vende roupas e tem categorias separadas para moda masculina e feminina, com subgrupos que são saias, blusas, calças, camisas etc.

É uma forma de categorizar os produtos no e-commerce para facilitar a navegação do usuário na loja e melhorar a experiência de compra. Em uma mesma categoria, pode ter vários desdobramentos, que orientam o cliente a chegar aonde ele quer dentro da loja.

Quando o consumidor entra na categoria feminino, ele tem diversas opções de escolha. Se ele quer comprar uma blusa com manga 3/4 bufante, ele pode encontrar essa opção dentro da árvore de categorias. Quanto mais específico for o produto, mais níveis um grupo terá.

Se você entrar em grandes lojas, como Americanas e Netshoes, poderá observar como é feita a separação dos produtos por tipo. Falando de forma simples, a árvore de categorias é o menu do site, onde você encontra uma lista de todos os tipos de produtos disponíveis na loja.

Como funciona uma árvore de categorias na prática?

Em uma árvore de categorias, todas as partes estão conectadas. Então, uma parte depende da outra, e, para cadastrar novos produtos, é preciso entender onde cada um deles se encaixa dentro do e-commerce. Ela fica organizada como uma hierarquia, onde os produtos mais vendidos são os primeiros da lista.

Por exemplo, na prática, um cliente entra em uma loja virtual de eletrodomésticos para comprar uma smart TV. Para facilitar a busca, há uma categoria chamada TV e vídeo e subcategorias como: smart TV, TV led, monitor TV, home theater, entre outras.

Quando o consumidor acessa a opção smart TV, aparecem modelos de marcas, tamanhos e preços diferentes. Ele ainda tem a opção de filtrar a busca por marca, tamanho, resolução, preço etc. Quanto mais específico for um produto, mais subcategorias ele vai ter.

Qual é a importância da criação da árvore de categorias?

Separar produtos por diferentes níveis é importante para quem trabalha com vendas online, para os clientes e, até mesmo, para o Google. A prática permite que o lojista deixe seu e-commerce mais organizado. Então, quando ele precisa cadastrar novos produtos, o trabalho fica mais fácil.

Dessa forma, quando é necessário cadastrar novos produtos, o lojista sabe exatamente aonde ir. A manutenção do e-commerce também é mais simples quando a árvore de categorias está bem organizada.

Os clientes se sentem mais seguros para comprar na loja. Além disso, a navegação é otimizada, o que melhora a experiência do cliente com o e-commerce. Isso porque ele encontra os produtos com mais facilidade e, por isso, as chances de compra acabam sendo maiores.

Além disso, a categorização dos produtos feita de forma eficiente ajuda no ranqueamento do site. Isso porque um e-commerce é encontrado no Google por meio de palavras-chave específicas, que devem ser usadas estrategicamente na hora de criar uma categoria no e-commerce.

Dessa forma, sua loja consegue um bom número de visitas. Lembre-se de que, quanto mais pessoas acessarem seu e-commerce, maiores serão as chances de conversão.

Ademais, quando seu e-commerce é encontrado de forma orgânica, você poupa custos com campanhas de links patrocinados. Esse fator influencia no faturamento de seu negócio.

Como essa prática influencia na experiência de compra?

Imagine que você entra em um e-commerce, procurando por botas de inverno femininas. Então, você se depara com uma loja desorganizada, que tem uma categoria voltada para o público feminino, mas não tem uma separação de produtos como sapatilhas, botas, sandálias etc.

Como encontrar o sapato de seu interesse? Vai ficar horas procurando? Por que você perderia seu tempo buscando uma bota em uma loja, se há outras milhares de opções onde você pode comprar o que deseja?

Então! O cliente também pensa dessa forma. Se ele entrar na loja e sentir dificuldades para encontrar as mercadorias de seu interesse, ele simplesmente vai procurar a concorrência. Dessa forma, seu negócio perde vendas e mercado, o que pode levá-lo a ter sérios prejuízos e não conseguir sustentar-se ao longo do tempo.

No entanto, quando a árvore de categorias do cliente é bem estruturada, a história é outra. Então, o cliente tem duas vantagens: primeiro, ele encontra sua loja nas primeiras páginas do Google, e isso influencia na decisão de visitar o site; segundo, o consumidor encontra os produtos com facilidade, o que reduz a jornada de compra e melhora a conversão da loja.

Com uma experiência de navegação positiva, as chances de recompra e fidelização são bem maiores, e esses fatores contribuem para o crescimento do negócio e o fortalecimento da marca.

O que considerar na hora de criar as categorias?

Para organizar as categorias na loja, o dono do e-commerce deve levar em consideração os produtos que terão maior procura pelo cliente ou o produto que será a estrela do e-commerce.

Além disso, o lojista deve conhecer bem o perfil de sua persona para entender quais são os produtos que ela mais procura e compra em lojas virtuais. Isso porque a árvore de categorias funciona como uma hierarquia, onde as informações importantes são colocadas primeiro.

Então, as categorias do menu devem ser organizadas de forma que o mais importante fique à esquerda do site, enquanto o “menos importante” à direita. Isso varia bastante, mas, na maior parte dos casos, a estrutura da árvore funciona desse jeito.

É preciso que o lojista coloque em ordem o que ele quer vender, o que ele precisa vender e o que ele está vendendo de forma espontânea. No entanto, é necessário levar em consideração o estoque da loja. Por exemplo, você é dono de uma loja de sapatos, e, nessa época do ano, a procura por botas é muito grande.

No entanto, se você tem poucos exemplares desse calçado em seu estoque, não adianta colocar a categoria em primeiro lugar. É preciso levar em consideração a realidade de seu negócio para organizar a ordem dos produtos de forma correta.

Empreendedores iniciantes podem ter dificuldade para criar uma árvore de categoria, pois não têm experiência com loja online. Nesse caso, o ideal é inspirar-se na concorrência porque, ao observar lojas que vendem produtos similares, é possível ter uma ideia de quais itens terão mais saída em sua loja.

No entanto, não recomendamos copiar a estratégia dos concorrentes, apenas observar as expressões mais procurados pelos clientes. Os termos utilizados para categorizar os produtos também influenciam no ranqueamento da loja.

Quais são as melhores práticas para organizar a árvore de categorias?

Além de levar em consideração estoque e produtos mais vendidos, é preciso fazer uma boa pesquisa de palavras-chave. Isso porque é necessário saber como os clientes buscam por seus produtos na internet. Por exemplo, uma calça pantalona é chamada por diversos outros nomes, como calça pantacourt, calça boca larga, calça boca de sino.

Então, quais serão os termos utilizados em seu e-commerce para encontrar esse tipo de mercadoria? Como seu cliente procura os produtos vendidos em sua loja? É importante cadastrar as palavras-chave corretas para não perder mercado para a concorrência.

Há diversas ferramentas que podem ser utilizadas para descobrir o volume de pesquisas de palavras-chave. Alguns bons exemplos são o SEMRUSH, o Google Trends, o Ubersuggest, o planejador de palavras-chave do Google Ads e o próprio Analytics. Vamos a algumas dicas!

Crie menus por temas

A personalização do e-commerce conta muitos pontos na hora de fazer uma árvore de categorias. Então, vale fazer um menu organizado por temas. Mas como? Vamos citar o exemplo de uma das maiores lojas virtuais do país: a Netshoes.

Em “categorias”, há diversas divisões, como masculino, feminino, infantil, entre outras. Na seção calçados, há várias subcategorias, que variam de acordo com a utilidade do sapato, como: em sapatos/departamento, o cliente pode escolher se o calçado é para caminhada, artes marciais, corrida, automobilismo ou para basquete, entre outras opções.

Esse tipo de categorização leva o cliente diretamente para a página com o produto que ele tem interesse. Essa praticidade melhora a experiência do cliente, aumenta as chances de conversão de leads e, consequentemente, ajuda na fidelização de clientes.

Faça o agrupamento de acordo com a semelhança

Outra boa prática para criar uma categorização de produtos eficiente é agrupar o menu por semelhança. Então, na hora de criar uma nova página de cadastro de categorias, organize o menu desta forma: masculino, feminino, infantil.

Esse é apenas um exemplo para um e-commerce que vende produtos para todos os públicos, como a Netshoes. Categorias como TV e vídeo, celulares e informática também são semelhantes e podem ficar próximas na hora de criar um menu de categorias.

Em marketplaces que vendem todos os tipos de produtos, as categorias semelhantes estão sempre perto uma das outras. Isso é uma forma de deixar o e-commerce mais organizado e melhorar a navegabilidade do site.

Analise a concorrência

Fazer a análise da concorrência é importante para saber se você está categorizando seus produtos de forma correta. Essa prática é ainda mais importante para quem está começando uma loja virtual e nunca atuou no ramo de vendas online.

Claro que você não deve simplesmente copiar o que sua concorrência está fazendo, mas usá-la como base para criar sua própria árvore de categorias. Por meio da análise de seus concorrentes, você consegue identificar como seu produto é procurado nos mecanismos de busca e entender quais serão as mercadorias com maior saída em sua loja.

Na hora de fazer a análise da concorrência, é importante verificar apenas negócios similares ao seu e do mesmo patamar. Analisar marketplaces não é uma boa ideia, dependendo do porte de seu e-commerce, pois os grandes players vendem todo tipo de produto e não servem como referência, em grande parte dos casos.

Considere a familiaridade do seu público-alvo

Conhecer o público-alvo de sua loja é essencial para categorizar corretamente seus produtos. Então, pergunte-se: quem é a persona de meu negócio; quais são seus problemas; quais soluções ela busca quando entra em minha loja? Se você conseguir responder essas questões, vai saber como organizar o menu de seu e-commerce.

Isso porque, dessa forma, será possível organizar a árvore de categorias de maneira hierárquica, ou seja, você vai conseguir colocar os produtos mais buscados pelo seu público-alvo em primeiro lugar.

Estruture corretamente cada categoria

Cadastrar os produtos por categorias é uma forma de deixar sua loja mais organizada. Por isso, evite criar classes desnecessárias que, além de poluírem o site, ainda dificultam a chegada do cliente ao produto que ele procura.

Outro ponto importante é não gerar muitos subníveis de subcategorias. O ideal é criar até 3, mais do que isso é bem raro e pode prejudicar a experiência do consumidor no seu e-commerce. Além disso, é importante cadastrar os produtos nas categorias corretas. Por exemplo, na categoria infantil, deve ter somente itens voltados para esse público.

Use a pesquisa de palavra-chave

Como já citamos ao longo deste post, para criar uma árvore de categorias eficiente, é essencial utilizar as palavras-chave corretas. Então, antes de começar a organizar sua loja, faça uma boa pesquisa de termos relacionados ao seu negócio para saber como criar cada categoria.

Palavras com baixo volume de pesquisas devem ser descartadas, pois, se não há procura por esses termos, significa que eles não levarão o consumidor para sua loja. Palavras com um alto volume de procura têm um grande poder de conversão e, por isso, devem ser utilizadas.

A pesquisa de palavras-chave também é importante para a criação de campanhas de links patrocinados. Essa etapa vai dar um pouco de trabalho, mas deve ser bem feita. A escolha correta das palavras-chave é que vai determinar a posição de seu e-commerce nos mecanismos de busca. Então, dedique um tempo para essa tarefa!

Utilize uma linguagem adequada

A linguagem utilizada também faz parte das boas práticas para criar árvores de categorias no e-commerce. Se você tem uma loja que vende artigos para skatistas, não vai utilizar a mesma linguagem de um e-commerce que atua no setor de roupas formais.

Além disso, em um mesmo segmento, é preciso utilizar linguagens diferentes. Vamos a um exemplo de uma loja de games. Se uma parte do público é infantil, o conteúdo deve ser direcionado para os pais, já que as crianças não têm poder de compra. Elas somente pedem ao pai ou à mãe o modelo que querem, e eles fazem a pesquisa.

Se a mesma loja tem um público que é gamer profissional e adulto, devem ser criados conteúdos com uma linguagem específica. Então, dentro de um mesmo segmento, é necessário ter duas linguagens diferentes. Por isso, é importante saber quem é sua persona para se comunicar com ela de forma adequada.

Pense como o consumidor

Usar a empatia na hora de categorizar as mercadorias de seu e-commerce vai ajudar a deixar o menu mais organizado. Então, antes de começar a separar os produtos por seção, coloque-se no lugar do consumidor para saber como ele vai comportar-se em sua loja.

Imagine que você é um cliente e chegou na loja procurando por um produto específico. Quando você pensa da mesma forma que o consumidor, consegue ter uma visão mais clara sobre como as seções devem ser organizadas.

Quais erros devem ser evitados?

A falta de foco é um grande erro, que deve ser evitado na hora de categorizar os produtos. Isso acontece quando você foca em uma mercadoria que é tendência, mas você não tem em sua loja ou seu público não consome.

Por exemplo, a tendência é a venda de casaco camuflado, e, então, você resolve colocar esse produto em destaque em sua árvore de categorias. Mas, caso seu público-alvo não tenha o costume de comprar esse tipo de roupa, não adianta dar destaque para o item. O importante é focar naquilo que você tem em seu estoque e nos produtos que seu e-commerce precisa vender.

A falta de organização é outro erro grave, como colocar produtos que não têm nada a ver com aquele grupo nas subcategorias. Imagine que você cadastra uma blusa de franja ou cropped na seção de calças, sendo que ela deveria estar na categoria de blusa.

Esse é um erro grave, pois o cliente vai ter dificuldade em encontrar o que precisa, e sua loja ainda corre o risco de ficar com a reputação manchada. Se seu e-commerce ficar conhecido por seu público como um site desorganizado, será difícil mudar o quadro.

Além disso, é preciso fazer a descrição correta dos produtos. Colocar um conteúdo superficial, sem detalhar as especificações daquele item, pode prejudicar todo o trabalho de categorização.

Como aprender mais sobre e-commerce e mercado digital?

O setor de e-commerce vem crescendo muito nos últimos anos. Apenas em 2020, em pleno período de pandemia, o comércio eletrônico expandiu 81% e faturou R$ 9,4 bilhões — e isso somente no mês de abril. Esse fator se deve ao fato de as pessoas não poderem sair de casa para realizar suas compras.

Para evitar o contágio, a forma mais segura de comprar é pela internet. Além disso, o consumidor moderno quer praticidade e conforto, e não há nada mais cômodo do que fazer suas compras pela internet e receber seus produtos em casa.

Outro fator que contribui para o crescimento do e-commerce é que as lojas estão cada vez mais seguras. Então, o consumidor não fica com medo de inserir suas informações pessoais e seus dados de cartão de crédito.

O setor é promissor, mas como posso aprender mais sobre ele? Bom, a melhor saída é fazer cursos de marketing digital e estudar sobre o funcionamento do e-commerce.

Há diversos canais no YouTube e conteúdos em sites na internet que falam sobre as maiores tendências do e-commerce, como montar uma loja do zero e como ter sucesso nas vendas. Enfim, há uma infinidade de temas, e você pode explorar esse vasto “mundo” para se aprofundar mais sobre o assunto.

Inclusive o nosso! Se inscreva em nosso canal no YouTube e acompanhe nossos conteúdo semanais.

Ficou com alguma dúvida? Faça parte do nosso grupo no Facebook com especialistas em e-commerce e outros lojistas e envie sua pergunta.

Está pensando em criar uma loja virtual? Faça o teste e descubra se você está pronto!

Tudo o que você deve saber para criar a árvore de categorias do e-commerce
Avalie esse artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *