Supply Chain: O que é, como funciona e como aplicar no seu negócio! Entenda todo o processo

A Supply Chain conhecida também como Cadeia de Suprimentos, abrange todos os processos de fabricação de um produto, que vai desde a compra de matérias-primas até a entrega para o consumidor final. É um método conhecido por ser completo já que abrange fabricação, logística e distribuição.

Supply Chain, ou cadeia de suprimentos, é o conjunto de processos que acompanham o tempo de vida útil de uma mercadoria.

Desde a origem, como matéria-prima, até o momento da aquisição pelo cliente, existem muitos agentes e processos envolvidos.

Portanto, a cadeia de suprimentos é de fundamental importância para a economia e deve ser realizada com o máximo de planejamento.

Ferramentas como o Supply Chain Management (SCM) ajudam os envolvidos a coordenar os processos com muito mais eficiência, para que integração e sinergia sejam o pilar desse processo.

Por mais que existam inúmeras vantagens para quem trabalha com esse modelo de negócios, existem desafios que devem ser superados.

Para tanto, é preciso saber o que é o Supply Chain, como ele funciona e quais são suas etapas.

Além é claro, de saber as boas práticas para fazer a correta gestão da cadeia de suprimentos no e-commerce.

Quer saber tudo sobre o assunto? Se sim, basta continuar a leitura deste artigo!

O que é Supply Chain?

O Supply Chain, também conhecido como cadeia de suprimento, é o conjunto de processos que acompanha todo o ciclo de vida de um produto ou bem.

Diz respeito ao tempo de vida de uma mercadoria ou de um produto, da produção até o momento final, quando o consumidor adquire a mercadoria, bem ou produto.

Esse é um processo muito importante para o mercado.

Principalmente por influenciar e gerir todo o processo de entrega de um produto ao consumidor final.

Afinal, ele precisa entregar com qualidade, segurança, eficiência e dentro de um prazo previamente estabelecido, para que todos os envolvidos possam dar continuidade nessa cadeia de suprimentos.

Para que todo o processo seja feito da maneira mais eficiente possível, é preciso que o planejamento seja pensado para que todas as etapas tenham tempo hábil e recursos para desempenhar suas funções dentro desse processo.

Pois o Supply Chain é o responsável pela integração de todos os processos que estão envolvidos na cadeia produtiva de uma mercadoria.

Desde os primeiros contatos com os fornecedores de matéria-prima, englobando as redes de distribuição, os processos de armazenagem e vendas, até o relacionamento e aquisição do produto pelo consumidor.

Mesmo que esse seja um conceito relativamente novo, é de fundamental importância para a logística de diversas empresas que trabalham com o varejo.

Porém, é um processo que enfrenta diversos desafios para que tudo fique integrado e funcione de maneira sinérgica para alcançar o mesmo objetivo.

Quais os desafios do Supply Chain?

Assim como todo processo que entrega melhorias e têm como objetivo facilitar a cadeia de produção e de entrega de mercadorias para o consumidor final, a cadeia de suprimentos enfrenta diversos desafios.

Esse processo se torna uma das principais preocupações de líderes e gestores dentro de empresas diversas, para se adaptarem às logísticas do futuro.

Isso se dá devido aos impactos que a má gestão desse processo pode causar nos resultados da empresa, além do orçamento que a má gestão do Supply Chain pode demandar.

Assim, separamos os principais desafios do Supply Chain. Veja abaixo!

Complexidade do processo

Cada vez mais, as empresas estão terceirizando e descentralizando diversas operações do negócio.

Isso ocorre, principalmente, pela facilidade de comunicação e pela possibilidade de automatização de processos, devido às soluções digitais que estão inovando o mercado.

Assim, com processos cada vez mais automatizados, parcerias firmadas com maior frequência e descentralização dos processos, todos os processos da cadeia de suprimento acabam ficando relativamente mais complexos.

Afinal, antes a cadeia produtiva e de suprimento era menos ramificada, contava com a participação de menos agentes envolvidos e se dava de forma mais linear.

No cenário atual, com o advento das tecnologias e a mudança no comportamento do consumidor, mais agentes estão envolvidos nos processos fazendo com que a cadeia de suprimentos seja muito mais ramificada.

O principal desafio é, portanto, fazer a correta gestão de todos os processos e fazer com que eles se mantenham unidos e em harmonia de funcionamento.

As empresas devem, então, mapear os processos e alinhar as atividades para que tudo ocorra como planejado.

Integração das etapas

Com cada vez mais agentes envolvidos, bem como processos realizados em diferentes localidades e processos automatizados, é preciso fazer uma integração nos esforços que envolvem a distribuição da matéria-prima até a aquisição da mercadoria pelo consumidor final.

Com isso, a integração deve ser feita entre todos os processos do Supply Chain, bem como as equipes que estão direta e indiretamente envolvidas com essa importante atividade.

A integração de processos e de equipes exige esforços no planejamento, comunicação, execução e monitoramento das atividades de diferentes setores, empresas e negócios.

Mensuração de desempenho

A mensuração constante dos resultados é fundamental para que os gestores possam entender como está o funcionamento de qualquer empresa, processo ou projeto.

Não seria diferente com o Supply Chain.

No entanto, como a ramificação nessa cadeia produtiva é maior, é muito mais difícil mensurar os resultados.

Cada etapa da cadeia de suprimento impacta diretamente nas etapas posteriores.

Por isso, é preciso elaborar e aperfeiçoar a análise de resultados de cada etapa para identificar um resultado final.

Por exemplo, como saber qual o impacto que o fornecimento de um determinado insumo pode causar na etapa de venda ao consumidor final?

Com isso, é preciso estabelecer métricas e indicadores-chave de performance que compreendam as etapas de maneira individual, mas que entreguem um resultado final analisando o processo como um todo.

Para isso, as tecnologias são as principais soluções.

Softwares de mensuração de resultados podem ser utilizados em todas as etapas para que forneçam as métricas de desempenho necessárias.

Gestão de estoque

A gestão de estoque é um desafio que acompanha muitas, senão todas, as empresas do ramo varejista.

Como toda a cadeia de suprimentos necessita de insumos e materiais para nutrir os processos, o desafio é justamente entender o que é preciso ter no estoque para manter a demanda de consumo e o giro dos produtos corretamente.

A má gestão de estoque pode gerar transtornos financeiros à cadeia de suprimentos.

Isso porque contar com um estoque elevado de insumos, despertará a necessidade de mais espaço e logística de armazenamento.

Bem como mais orçamento para o deslocamento interno e contratação de profissionais responsáveis pelo estoque.

Distribuição e transporte

Uma das etapas mais complexas e caras da cadeia de suprimentos é garantir a distribuição dos produtos e o transporte.

Se falarmos no transporte em nível nacional, o processo é bastante dependente das malhas rodoviárias, que são de baixa qualidade.

O transporte por meio do modal rodoviário é mais custoso, e a falta de segurança se apresenta como um risco para os negócios.

Ainda, o extenso território brasileiro, apresenta um desafio para a logística de entrega de mercadorias para os diferentes estados.

Qual a importância do Supply Chain?

O Supply Chain é de fundamental importância para o varejo, já que é o principal responsável por coordenar e integrar todos os setores envolvidos na cadeia de suprimentos.

Sem um processo coordenado e integrado, seria praticamente impossível garantir que as etapas envolvidas trabalhassem de maneira coordenada e sinérgica.

Portanto, o Supply Chain Management trabalha justamente na necessidade de compartilhamento das responsabilidades entre os envolvidos, para coordenar e integrar as etapas de distribuição, armazenagem e atendimento ao consumidor, por exemplo.

Por isso, a necessidade de compartilhamento de informações e de processos se tornou cada vez mais indispensável para o bom andamento do negócio.

Dessa maneira, a solução encontrada para todo o processo foi o SCM (Supply Chain Management).

Com isso, torna-se possível que o processo seja menos complexo.

As etapas integradas em esforços conjuntos, estoques melhor gerenciados, distribuição e transporte eficientes e com a possibilidade de mensuração de desempenho constante.

Quais áreas o Supply Chain abrange?

O Supply Chain, como já é possível observar até o momento, envolve diferentes áreas de atuação que devem trabalhar de maneira conjunta para chegar ao resultado final: o consumidor.

Com isso, todas as áreas devem ser envolvidas e trabalhadas de maneira conjunta.

Como o processo completo compreende muitas etapas, existem diversas áreas que abrangem o bom desempenho desse modelo.

Afinal, desde o correto armazenamento da matéria-prima, até a venda direta ao consumidor, existem diversas etapas.

Logo, a cadeia de suprimentos envolve áreas como:

  • matéria-prima;
  • equipamentos;
  • insumos;
  • transporte;
  • compras;
  • estoque;
  • planejamento da demanda;
  • armazenagem;
  • pessoas;
  • organizações;
  • informações.

Qual a diferença entre Supply Chain e logística?

Os dois casos, o Supply Chain e a logística, podem ser confundidos por terem um mesmo objetivo, mapear e conduzir os processos para um objetivo final integrado.

Contudo, existem algumas peculiaridades que fazem com que os dois casos sejam distintos.

Para que não haja mais confusão na hora de distinguir o Supply Chain da logística, você verá a seguir as principais diferenças entre ambos. Confira!

Definição de logística

A palavra logística tende a significar, a grosso modo, contabilidade e organização.

Com aperfeiçoamento do conceito baseado em técnica militar, como estoque, manutenção e distribuição de alimentos, remédios, armas e muito mais.

Essa eficiente técnica foi absorvida por empresas de ponta que desejam maior eficiência nos diferentes processos organizacionais.

Com isso, a logística tornou-se parte indispensável para gerenciar recursos materiais das empresas, bem como a realização do planejamento, estoque e transporte dos produtos.

Assim, a logística conta com uma abordagem muito mais específica e que tem como objetivo o bom andamento do armazenamento e do transporte para o consumidor final.

Confira também: Qual a importância e como otimizar a logística do e-commerce?

Definição de Supply Chain

A definição de Supply Chain já diz respeito a todas as etapas do ciclo de vida de uma mercadoria.

Desde a compra da matéria-prima, produção, estoque, transporte e entrega ao cliente, tudo é coordenado pelo SCM.

Nesse modelo, todos os envolvidos trabalham de maneira sinérgica e integrada.

Logo, o Supply Chain diz respeito à cadeia de suprimentos completa.

Desde a compra da matéria-prima até a entrega ao consumidor final, a responsabilidade por gerenciar e analisar esse processo é do Supply Chain.

É uma estrutura organizacional muito mais completa, integrada e bastante ramificada.

Como trata de todo o fluxo com a participação de diferentes áreas envolvidas de maneira integrada, é um processo muito mais completo e complexo de logística.

Principal diferença entre Supply Chain e logística

Portanto, como é possível observar, a linha da diferença entre as duas estratégias é muito tênue.

Contudo, é possível observar a diferença quando analisamos cada caso.

A logística cuida dos processos internos das empresas, como a armazenagem de insumos, a gestão do estoque interno, o transporte das mercadorias, a entrada e saída de material, bem como a redução e economia de recursos.

Já o Supply Chain, realiza as mesmas atividades que a logística.

No entanto, é possível dizer que ele faz a gestão desses processos entre as empresas que estão envolvidas.

Quando falamos de Supply Chain, nos referimos às etapas que envolvem empresas diversas, não somente uma organização, como fornecedores, distribuidores, áreas de armazenamento e muito mais.

É possível, então, afirmar que a cadeia de suprimentos é um aperfeiçoamento evolutivo do processo de logística.

Quais as vantagens do Supply Chain?

Por ser um processo fundamental para o bom desenvolvimento da cadeia produtiva de diferentes setores, o Supply Chain oferece diversos benefícios e vantagens para o mercado e para os consumidores.

Confira abaixo algumas das principais vantagens desse modelo logístico.

Melhoria na produção

Como existe a integração das informações e o planejamento para que todas as etapas trabalhem de maneira integrada, todo o processo produtivo é aperfeiçoado gerando melhorias para todos os envolvidos.

Com a implementação do Supply Chain Management, o armazenamento é otimizado, o estoque é gerenciado de maneira correta e há um melhor desempenho dos processos internos.

Ocorre também a otimização dos transportes, os prazos são cumpridos e o consumidor final é atendido de maneira muito mais eficiente e qualificada.

Diminuição dos custos

Quando todos os envolvidos trabalham de maneira conjunta, as vantagens competitivas tendem a aumentar para todos os setores.

Ao utilizar um sistema correto de análise e mensuração de desempenho em todo o processo, erros são minimizados e desperdícios são evitados.

Isso já proporciona uma redução de custos significativa, ainda mais quando falamos de cadeias produtivas de enormes proporções.

Confira também: Otimizações logísticas para lojas virtuais: como reduzir custos!

Otimização da receita

Quando bem gerenciados, os processos passam a se tornar mais competentes e eficientes. Isso é sinônimo de redução de custos e de melhor aproveitamento.

Com isso, a receita de todos os envolvidos tende a ser maior.

Quando um bom gerenciamento de SCM é feito, os envolvidos se tornam mais profissionais, os fornecedores são mais qualificados, bem como os serviços são otimizados.

Ao diminuir os custos e otimizar os ganhos, a receita de todo o processo é aumentada.

Maior controle

Ao aderir uma boa gestão, qualquer empreendimento passa a organizar os processos e contar com estratégias muito mais eficientes e vantajosas.

Com o Supply Chain, as etapas relacionadas, como compras, fornecedores, pedidos, gestão de estoque, estratégia de transporte e a qualidade dos serviços são controladas para alcançarem o melhor desempenho possível.

Integração das operações

Com bom gerenciamento e a utilização das soluções tecnológicas para o setor, é possível fazer a integração de todos os envolvidos para que trabalhem com um único processo logístico.

Assim, a implementação, organização, mensuração e correção das etapas são mais facilitadas, e o resultado positivo tem maiores chances de acontecer.

Maior pontualidade

Cada etapa do Supply Chain influencia as etapas seguintes.

Com integração e compartilhamento de esforços e informações, é muito mais fácil implementar uma gestão integrada onde os prazos são respeitados para que o consumidor final não seja prejudicado.

Um gerenciamento eficiente, permite que técnicas sejam implementadas para que os prazos sejam cumpridos com tempo otimizado e recursos minimizados.

Como aplicar o Supply Chain na empresa?

Já é possível entender a importância do Supply Chain para melhorar o desempenho de muitos empreendimentos.

Afinal, em setores que contam com uma ramificação nos serviços, para chegar ao consumidor final, é fundamental entender como aplicar a cadeia de suprimentos com eficiência.

É isso que veremos a seguir!

Integre os processos

Uma das bases do Supply Chain é a integração dos processos envolvidos.

Assim, para que a eficiência e a qualidade sejam garantidas, é preciso contar com um bom controle e uma visão sistêmica.

Logo, a primeira ação deve ser organizar e planejar como a integração de todos os setores vai acontecer.

É preciso alinhar os processos para que aconteçam de forma conjunta, onde uma ação é realizada com o objetivo de otimizar a próxima.

Para que a integração seja completa, é fundamental contar com soluções de logística e tecnológicas que ajudem a mapear os processos, corrigir erros e criar um sistema de integração com todas as informações necessárias para serem compartilhadas.

Estabeleça uma rede de fornecedores

Com processos integrados, fica estabelecido que cada parte é responsável por uma etapa fundamental no conjunto do processo como um todo.

Isso não é possível sem contar com fornecedores confiáveis e de qualidade.

Para tanto, é preciso definir os critérios essenciais para entender qual fornecedor está apto a participar do processo.

Além disso, é importante contar com fornecedores que entreguem qualidade, facilidades de pagamento e eficiência, cumpram os prazos e demandas, e que possam negociar melhores condições para os períodos mais propensos à escassez.

Estabeleça o SCM

É preciso estabelecer um Supply Chain Management para organizar todos os processos e coordenar o andamento das operações.

Com isso, é possível estabelecer o fluxo de materiais e de informações.

Fica mais viável estreitar o relacionamento e a comunicação entre os envolvidos para garantir resultados positivos, com valor agregado, otimização da receita e diminuição de desperdícios.

Integre o estoque, a armazenagem e a distribuição

Garantir o abastecimento é fator indispensável.

Afinal, é preciso conferir maior entendimento e comunicação entre o estoque, a armazenagem e a distribuição para que produtos não se percam ou estraguem, aumentando as despesas de maneira desnecessária.

A capacidade dessa etapa para atender à demanda, nos diferentes momentos, deve ser garantida.

Importante lembrar, que o tamanho do estoque deve ser compatível com o preço da armazenagem.

Fatores como o custo das instalações, estrutura e a segurança dessas operações também necessita de atenção e cuidados.

O transporte também não pode ser negligenciado.

É preciso garantir uma boa qualidade de gestão para que as rotas traçadas para a distribuição sejam as mais indicadas para otimizar os resultados e evitar desperdícios.

Mapeie os processos

O mapeamento deve ser feito por meio de um levantamento completo de todas as atividades envolvidas. Os procedimentos, ações e tarefas realizadas devem ser acompanhadas por meio de dados e informações relevantes. Essa deve ser uma etapa contínua e fazer parte da rotina administrativa das operações.

Faça análises constantes

Uma boa ação de Supply Chain é guiada e monitorada por meio de dados e informações reais e automatizadas.

Dessa forma, a mensuração de desempenho deve ser acompanhada de indicadores-chave de performance que acompanhem objetivos de curto e longo prazo. Ferramentas tecnológicas auxiliam e tornam o processo viável.

Quais as etapas a serem seguidas?

O Supply Chain conta com etapas bem definidas para que o processo como um todo aconteça de maneira coordenada.

Cada etapa é de fundamental importância para o resultado final e deve ser feita de forma planejada e coordenada para que haja sinergia dos esforços e tudo possa ser feito de maneira integrada.

Veja abaixo, de maneira resumida, quais são as etapas da cadeia de suprimentos.

1ª etapa

A primeira etapa é a comunicação com os potenciais fornecedores.

Afinal, para que tudo aconteça, é preciso contar com a matéria-prima necessária para a produção.

Nesse momento, é estabelecida a qualidade e a quantidade necessária para suprir a demanda esperada.

2ª etapa

Esse é o momento de produção, onde a matéria-prima é transformada em bem de consumo.

Negociações e melhores condições são acordadas, bem como uma produção eficiente que possa cumprir os prazos estabelecidos com a maior qualidade estipulada.

3ª etapa

Com a matéria-prima transformada em bem de consumo, é preciso armazenar e estocar com a maior eficiência possível.

Nesse momento, são estabelecidos os locais mais indicados para armazenar e estocar os produtos, bem como o tempo de permanência deles.

Produtos perecíveis demandam muito esforço de gerenciamento de estoque, bem como produtos não perecíveis.

4ª etapa

A última etapa é fazer com que os produtos estocados cheguem até o consumidor final. Esse processo também demanda bastante planejamento e esforços com a logística das operações.

Afinal, é preciso garantir que o produto seja entregue de maneira íntegra, com qualidade e dentro dos prazos. Os desafios para essa etapa são muitos e é preciso contorná-los.

O Supply Chain é um modelo de negócios que não se restringe às barreiras de fronteiras.

A possibilidade de fazer negócios com importação e exportação de produtos é muito vantajosa para os empreendedores por oferecer mais possibilidade de negócios, preços mais competitivos, otimização das receitas e muito mais.

Contudo, para que as operações sejam feitas com sucesso, existe uma série de desafios que devem ser superados.

A necessidade de integração, boa comunicação, gestão do estoque e distribuição coordenada fazem parte desse processo complexo.

Logo, é importante conhecer as etapas que envolvem os diferentes agentes, bem como realizar as boas práticas para implementar o SCM.

Se você gostou dessas dicas, confira este e-book gratuito: Kit Tudo para você criar uma
loja virtual de sucesso! Bom estudo.

Não há comentários ainda. Seja o primeiro a escrever um.

Deixe seu comentário