7 motivos que levam ao crescimento do mercado eletrônico no Brasil
Conheça a Móveis Do Brasil: A loja que teve sua primeira venda após apenas 15 dias da inauguração

Saiba como montar na prática um e-commerce responsivo

Publicado em: • Última Atualização:

A responsividade no universo e-commerce não pode mais ser tratada como tendência, uma vez que já se transformou em necessidade para quem pretende ter sucesso com vendas pela internet. Se você ainda tem dúvidas a esse respeito, saiba: o m-commerce (como também é chamado o comércio via dispositivos móveis) deve representar, ainda em 2018, 33% do total de pedidos das lojas eletrônicas.

Esses dados são da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), que também apurou a seguinte informação em suas pesquisas: as vendas mobile já apresentaram em 2017 uma participação bem significativa, ficando em torno dos 28%. Esses números confirmam que, mais que simplesmente entrar na onda, não ter uma loja preparada para esse novo ambiente significa prejuízo para o lojista, independentemente do tamanho ou do ramo de atuação do seu negócio.

Entendida a importância do e-commerce responsivo, vêm as questões: o que a loja deve ter para ser classificada como responsiva? Como estruturar o site para atender a essa demanda do público? O post de hoje foi preparado para esclarecer suas dúvidas sobre o assunto. Separamos algumas dicas importantes para que possa assegurar a responsividade da sua loja. Vamos começar?

Por que investir em um e-commerce responsivo?

Já citamos na introdução a evolução do m-commerce em termos de faturamento nos últimos anos. Mas ainda tem mais nessa história. Estamos falando da velocidade da mudança. Para você ter uma ideia, pesquisas da E-bit mostram que, hoje, as vendas mobile são 6 vezes maiores que há 4 anos.

Esse crescimento, claro, tem relação direta com o comportamento do consumidor e suas novas posturas diante das relações de consumo. O público não só tem passado cada vez mais tempo conectado como, com o ganho de velocidade das redes de acesso (3G e 4G), elegeu o aparelho celular como principal via de conexão com a internet.

Para as empresas, não importando o setor de atuação, essa mudança do desktop para o aparelho celular faz muita diferença. Além da necessidade de oferecer um ambiente adequado para a navegação do usuário, é preciso atenção à jornada do cliente a fim de organizar melhor a abordagem ao público.

Estudos da Google comprovam que hoje é preciso valorizar os chamados micromomentos do consumidor — cada uma das interações que o cliente estabelece com as marcas de sua preferência. Não se trata, assim, apenas de uma mudança de dispositivo. Essa história de as pessoas passarem muito tempo conectadas altera a forma como pesquisam sobre os produtos, como se relacionam com as marcas e, como era esperado, como compram.

De olho nessa movimentação, a própria Google modificou os critérios que usa para fazer o ranqueamento das páginas no seu serviço de busca. A partir daí, sites não responsivos passaram a ter poucas chances de alcançar um bom posicionamento, o que gerou problemas em sua divulgação.

Como valorizar as vendas mobile?

Devidamente entendida a importância do investimento nessa área, vamos ver como fazer isso na prática? Para começar, esse é um dos requisitos que você deve avaliar na escolha da sua plataforma de e-commerce. Esqueça aquelas que ainda não estão preparadas para os dispositivos móveis!

Ainda sobre a plataforma, tenha atenção: e-commerce responsivo não quer dizer simplesmente ter uma versão da sua loja para mobile! Seu fornecedor precisa trazer soluções mobile que otimizem a integração dos canais, facilitando não apenas a navegação dos usuários, mas todo o processo de gestão do negócio.

O foco não pode estar apenas na apresentação dos produtos, devendo incluir também a conversão das vendas. Para isso, é preciso ficar atento aos aspectos que listamos a seguir.

Experiência do usuário

O layout da loja precisa ser limpo. Assim, quanto menor a quantidade de elementos, melhor. Dessa forma, você não terá problemas com o carregamento das páginas. Aliás, dependendo da demanda, vale a pena até analisar a possibilidade de ter um aplicativo para facilitar o processo de compra do usuário e seu relacionamento com a marca.

Para não errar, ignore as soluções amadoras. Busque um profissional que tenha experiência na área para cuidar do projeto do site responsivo. Esse é o caminho mais seguro para obter um design atrativo e uma estrutura de fácil navegação, como se exige atualmente.

Adequação da comunicação

Além de cuidar do ambiente em si, é importante investir também na comunicação. Considerando que o usuário deve ter acesso às informações no dispositivo de sua preferência, analise a possibilidade de fazer o envio de mensagens relacionadas à loja.

Tenha em mente que uma das grandes vantagens do m-commerce responsivo é a possibilidade de estreitar ainda mais o relacionamento mantido com os clientes. No entanto, para que isso funcione, é importante valorizar as facilidades na coleta de informações e, de posse dos dados, preparar abordagens mais precisas.

O que não pode faltar na sua estratégia?

Não é difícil entender o que tem motivado o crescimento do m-commerce, certo? Estamos falando de conveniência. Afinal, com o consumidor moderno em busca de soluções mais personalizadas, as lojas que investem em responsividade saem bem na frente.

Mensuração

Para assegurar o sucesso das estratégias, é importante fazer o monitoramento das reações do público. Por isso, invista em testes A/B e mensure tudo o que acontece na loja. É a partir daí que você conseguirá melhorar a experiência do usuário.

Empatia

Fique atento: empatia é um conceito-chave das estratégias de sucesso no comércio eletrônico. Coloque-se no lugar do cliente e avalie se a loja realmente cumpre suas promessas de usabilidade. Quando falamos em lojas inteligentes, falamos em garantir que o cliente tenha acesso um serviço que atenda às suas necessidades.

Satisfação

Lembre-se de que, independentemente do dispositivo empregado, o usuário do comércio eletrônico precisa ter confiança na sua loja. Daí a necessidade de oferecer um ambiente seguro, reduzir ao máximo as etapas do processo de finalização das compras e oferecer boas opções na hora do pagamento e da entrega.

Parece óbvio, mas esses são fatores determinantes para o sucesso de um e-commerce responsivo. E, por incrível que pareça, ainda vemos muitas lojas falharem por não dar a devida atenção à experiência do consumidor. É preciso entender que as condições são favoráveis para o crescimento do comércio eletrônico no Brasil, mas que só serão bem-sucedidas as operações que souberem investir de forma adequada.

Gostou do nosso post? Preparado para investir na responsividade da sua loja virtual? Entre em contato conosco para ver como nossos especialistas ajudar seu negócio!

Está pensando em criar uma loja virtual? Faça o teste e descubra se você está pronto!

Saiba como montar na prática um e-commerce responsivo
Avalie esse artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *