Saiba como conquistar clientes no Facebook e alavancar suas vendas
Dicas de Como Montar um E-commerce Bem Estruturado

7 dicas para não errar na escolha da plataforma para e-commerce

Publicado em: • Última Atualização:

Se parar para pesquisar a fundo sobre plataformas para e-commerce, você vai se deparar com uma quantidade inimaginável de soluções. Plataformas open source, alugadas, SaaS e muitas outras formam um amplo leque de possibilidades para que você dê o pontapé inicial a seu negócio com o pé direito. Só um detalhe: dentre tantas opções, qual escolher?

Realmente não é fácil tomar uma decisão imediata. Assim, o melhor é fazer uma planilha comparativa, listando prós e contras de cada plataforma, a fim de chegar à conclusão mais acertada, que não se transforme em dor de cabeça mais tarde. Mas o que exatamente avaliar em cada uma? Pois é o que você vai descobrir no post de hoje. Acompanhe!

Recursos

O primeiro quesito que você deve avaliar na escolha de uma plataforma para e-commerce é a quantidade de recursos e funcionalidades que ela oferece. Afinal, muitos dos modelos prontos oferecem recursos limitados e funcionalidades que podem não ser as mais importantes para você.

Uma boa dica nesse momento é fazer uma lista do que você considera indispensável em uma plataforma para que ela atenda a seu modelo de negócio. Com esses critérios em mão fica bem mais fácil avaliar quais opções estão dentro do que você espera e quais ficam de fora logo de início.

Verifique funcionalidades e recursos tanto de front end (parte que fica visível para os consumidores) quanto de back end (gestão por trás da sua loja virtual). E você pode saber desde já que a melhor plataforma é aquela que possibilita uma gestão fácil e intuitiva das suas vendas.

Customização

Em uma plataforma para e-commerce, a customização é o recurso que permite que você mude elementos da página para que ela realmente reflita a imagem da sua empresa. São exemplos de itens customizáveis: cores, fontes, botões, menus, buscadores, quantidade de imagens, descritivos e muitos outros.

Quanto maiores forem as possibilidades de customização, melhor. Assim você pode criar um e-commerce único, reconhecido em qualquer lugar por seus consumidores. Nesse sentido, plataformas baseadas em modelos alugados ou SaaS costumam oferecer menos possibilidades que as plataformas open source — como WordPress. As open source permitem mudanças nos códigos das páginas, o que não acontece com as demais.

Lembrando que, se você quer uma loja virtual exclusiva e não entende de programação, o melhor a fazer é contratar um profissional para que ele realize as mudanças, sempre sob sua orientação.

Integração

No momento de escolher sua plataforma de e-commerce, tome cuidado também com as possibilidades de integração com outras ferramentas indispensáveis para o sucesso do seu negócio — como sistemas ERP, CRM e automação de marketing, por exemplo. Integrar essas plataformas significa fazer com que elas conversem entre si e troquem informações automaticamente, otimizando seu tempo e reduzindo as possibilidades de falhas na gestão da sua loja virtual.

Nesse quesito, é importante verificar também a facilidade de integração, pois existem soluções que exigem a presença de programadores e ações específicas do fornecedor da ferramenta para que seja possível conectar os sistemas.

Se você pretende vender seus produtos em marketplaces, uma boa dica é avaliar se a ferramenta que está sendo analisada também oferece a possibilidade dessa integração, para que você não precise cadastrar cada produto 2 vezes e gerir as vendas em 2 locais distintos.

Servidor

Uma pergunta que costuma passar batida pelos empreendedores na hora de escolher a plataforma de e-commerce diz respeito à disponibilidade do servidor, local onde a loja virtual fica hospedada. A lógica é simples: quanto maior for a disponibilidade do servidor, menores se tornam as chances de seu e-commerce sair do ar.

Você pode se resguardar em relação a isso no momento da assinatura do contrato, verificando se existe um Acordo de Nível de Serviço (SLA). Afinal, é nesse acordo que estão especificadas as obrigações do fornecedor da solução — como manter sua loja virtual o maior tempo possível on-line.

Fuja das empresas que oferecem um nível de disponibilidade do servidor menor que 90%, pois assim você estará investindo em algo bastante duvidoso. Prefira sempre as plataformas que têm um índice entre 95% e 99%, já que atingir os 100% é praticamente impossível e, por isso, seria muito ousado da parte de uma empresa oferecer tal segurança a um cliente.

Pagamentos

Você deve ter percebido que, nos últimos anos, as opções de pagamento vêm se diversificando bastante. Até algum tempo atrás, estávamos acostumados a usar apenas cartões de débito e crédito, além dos boletos bancários. Com o avanço da tecnologia, porém, agora existem inúmeras outras possibilidades, como compras por pontos, bitcoins, débito em conta corrente, transferência bancária e até mesmo as carteiras digitais.

Sendo assim, prefira aquelas plataformas de e-commerce que trazem uma variedade maior de formas de pagamento, visando atender a perfis distintos de consumidores. Analise o comportamento dos usuários, dos mais tradicionais aos mais ousados, e como eles costumam pagar por suas compras. Assim você terá uma ideia de qual ferramenta de pagamento é mais interessante para seu comércio eletrônico.

Relacionamento

Por mais que você já tenha uma estratégia de marketing digital preparada, precisa saber que o site da loja é seu principal ponto de contato com consumidores on-line. Nele, portanto, devem estar concentradas as informações vitais de que um usuário precisa para tomar sua decisão de compra — como preço, descrição de produtos, frete e prazos de entrega.

Então invista em uma plataforma de e-commerce que possibilite interagir com sua audiência, seja pelo envio de mensagens privadas, chats, avaliações de produtos ou comentários. Quanto mais interação você tiver por lá, melhor posicionado seu e-commerce ficará nos mecanismos de busca e mais atrativo se tornará para outros consumidores que buscam opiniões a respeito de produtos e experiências.

Preço

Você provavelmente está aí se perguntando a respeito dos preços, certo? Obviamente que deve fazer parte da sua análise verificar os preços de cada solução e determinar aquela que melhor se encaixe no seu orçamento. Mas antes de optar pelo custo mais baixo, verifique os benefícios de cada plataforma. Muitas vezes, pagar um pouco mais por uma solução mais robusta e completa compensa nas facilidades de gestão e na atração de novas oportunidades de vendas.

E aí, gostou das nossas dicas? Quer ficar por dentro de outros conteúdos que possam ajudá-lo a tomar melhores decisões para seu e-commerce? Pois então curta já nossa fan page no Facebook!

Ficou com alguma dúvida? Faça parte do nosso grupo no Facebook com especialistas em e-commerce e outros lojistas e envie sua pergunta.

Está pensando em criar uma loja virtual? Faça o teste e descubra se você está pronto!

7 dicas para não errar na escolha da plataforma para e-commerce
Avalie esse artigo!

2 Comentários em: 7 dicas para não errar na escolha da plataforma para e-commerce



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *