Intenção de Busca: o que é e 5 dicas para aplicar em seu e-commerce!

Intenção de busca é tudo aquilo que o usuário deseja saber através de uma pesquisa no Google ou em outros buscadores. Ao entender o que e como o internauta busca, é possível criar conteúdos que o atraem para sua página.

Segundo um estudo da SmartHit, o e-commerce no Brasil faturou R$ 785 milhões de janeiro a maio deste ano.

E esse crescimento está longe de chegar ao fim.

Com tanta concorrência, fica difícil aparecer de forma adequada para o público que você quer que seja seu cliente.

Por isso, muitas lojas online, grandes ou pequenas, recorrem ao SEO (Search Engine Optimization, otimização para motores de busca em português) para ganhar mais visibilidade, aumentar seu tráfego orgânico e, consequentemente, suas vendas.

Mais do que melhorias técnicas em um site, o SEO também se dedica a entender como o usuário se comporta nos buscadores e o contexto em que ele realiza sua pesquisa, para traçar melhores estratégias de conteúdo.

Afinal, a boa estratégia de SEO se dedica em colocar um site como solução para o problema que o internauta pesquisa.

Mas como saber isso? Como entender exatamente o que o usuário precisa?

É aqui que entra a “intenção de busca”. Quer saber o que é e ter algumas dicas para dominar esse conceito?

Continue lendo.

O que é intenção de busca?

Também chamada de intenção de pesquisa (ou user intent, para aqueles que preferem usar o inglês), a intenção de busca nada mais é que entender tudo aquilo que o usuário pesquisa na internet. Em especial o Google, o mais famoso do mundo, que concentra 3,5 milhões de buscas realizadas online.

Ao entender a intenção de busca do público que o seu negócio quer atingir, é possível criar conteúdos atrativos para ele, que o façam clicar no seu e-commerce ao invés de visitar o site do seu concorrente.

Na prática, é assim: se eu fizer uma busca “melhores tênis para crossfit”, quer dizer que minha intenção com essa pesquisa é ter dicas para saber os tênis que vão me ajudar a ter uma melhor performance nesse tipo de exercício. Não estou procurando tênis para corrida, por exemplo.

Pode parecer óbvio, mas entender isso é primordial para planejar conteúdos futuros com o objetivo de resolver a dor do cliente, principalmente se ele busca algo relacionado a um tema que você domina.

Basicamente, toda a intenção de busca pode ser resumida a uma das quatro abaixo (principalmente em buscas realizadas no celular):

Tipos de intenção de busca

É correto afirmar que hoje 99% das pesquisas feitas pelos usuários no Google são relacionadas a um dos quatro tópicos abaixo.

Vamos saber mais sobre eles.

Informacional

Como o próprio nome já deixa claro, uma busca informacional tem por objetivo satisfazer uma pesquisa por informação, resolver uma dúvida do usuário sobre algum tema.

Nessa pesquisa, aparecem muitas informações em forma de notícias ou artigos DIY (Faça você mesmo).

São exemplos desse tipo de pesquisa perguntas como “como limpar minha TV Smart”.

É a pesquisa realizada no primeiro momento da jornada de compra, quando o cliente possui um problema e busca informações para solucionar essa dor.

Os termos que mais aparecem como resultado de busca dessa pesquisa são:

  • Como fazer
  • Aprenda
  • Quando
  • Descubra
  • O que

Comercial

Na busca comercial (ou também chamada de busca investigacional), o usuário está na metade da sua jornada de compra.

Ele sabe o que quer, mas não sabe onde encontrar. Para ajudá-lo nessa “investigação”, faz pesquisas como “onde encontrar fogão barato” ou “melhor restaurante japonês na cidade”.

Com isso, o internauta pode comparar preços e ler comentários e críticas sobre determinado produto/serviço.

Transacional

As buscas transacionais estão relacionadas à tomada de decisão.

Nessa parte da jornada de compra, o cliente já tirou as dúvidas relacionadas à sua dor e sabe onde está a solução para o seu problema.

Agora é hora dele procurar formas de sanar essa dor. Um exemplo de pesquisa transacional é “comprar tênis adidas masculino”. 

Para atrair esse cliente, os CTAs (call-to-action) são o segredo, usando-os no final de um conteúdo mais curto e conciso.

Os termos que mais aparecem como resultado dessa pesquisa são:

  • Compre
  • Adquira
  • Experimente
  • Preço
  • Desconto
  • Promoção

Note que não relacionei a busca transacional com o fim da jornada de compra, pois essa jornada não acaba com a conversão do cliente.

Pois o atendimento que o usuário recebe, desde o processo da compra até a sua entrega e avaliação, também fazem parte dessa caminhada. 

Navegacional

A busca navegacional, ou busca direta, é quando o internauta pesquisa, mais do que um produto, uma página específica, onde ele já sabe que lá encontrará uma solução para o seu problema.

Por exemplo, “bolsa Mercado Livre”.

Mas você deve estar se perguntando “por que o usuário não digitaria o site diretamente?”.

Bem, por algum motivo, seja segurança ou por simplesmente não lembrar do endereço correto, ele prefere utilizar a pesquisa do Google para chegar aonde deseja.

5 dicas de intenção de busca no e-commerce

Durante o SEO Summit o diretor de operações da Search Lab, palestrou sobre sua pesquisa relacionada à intenção de busca no e-commerce, realizando uma comparação da intenção que leva à grandes players do mercado em relação à players de marca própria  (uma loja de roupas, moda praia, serviços, etc).

A pesquisa revelou insights interessantes para ficar atento e implementar em sua loja virtual uma sólida estratégia de SEO baseada na intenção de busca.

Quais as melhores páginas para usar para cada intenção de busca?

  • Para e-commerces de marca própria o uso de um blog bem trabalhado é essencial para aparecer em buscas com intenção informacional, além de páginas de produto.
  • Buscas navegacionais pedem um trabalho maior na sua home (página principal) e páginas de categoria;
  • Nas buscas comerciais e transacionais a atenção deve ser voltada para melhorar as páginas de categoria;

Arquitetura é tudo

É importante ter controle sobre toda a arquitetura do site, suas categorias, subcategorias e filtros que podem gerar novas URLs, assim como a linkagem interna entre departamentos e categorias.

E caso o e-commerce atue com um blog, use e abuse da linkagem interna dos conteúdos levando para as páginas de categoria ou de produto.

Procure pensar nessa arquitetura de um site como uma loja física, onde os departamentos são bem sinalizados para que o cliente saiba exatamente aonde ir para encontrar o que deseja.

Primeiro a categoria (Camisa), depois as subcategorias (camisas regatas, camisas de malha, camisas para treino), e assim o produto.

Tenha em mente que, como o próprio Google diz em suas diretrizes, “um bom site é aquele onde o usuário consegue chegar aonde quer com no máximo cinco cliques.”.

Sempre ajude o usuário

Voltando ao maior buscador da internet, um site confiável ajuda o usuário.

Portanto, sempre facilite ao máximo a visualização e navegação do internauta em seu e-commerce.

Tenha uma vitrine organizada, utilizando Headings como marcadores para essa organização.

Conteúdo em página de produto é perfeito para tirar dúvidas do usuário, até mesmo para ajudá-lo em sua tomada de decisão.

Utilize as Perguntas Frequentes do Google para saber o que o internauta mais busca a respeito do produto.

Páginas esse tipo de dado estruturado costumam ter mais cliques do que as que não possuem, o que pode alavancar suas posições nos resultados de pesquisa.

Mas cuidado para que ele não seja muito longo.

Afinal, o objetivo primário de um e-commerce é a venda.

Trabalhe nas páginas certas

Pode parecer meio óbvio, mas é muito importante que as páginas que já tragam mais tráfego, as páginas de lista, sejam as primeiras a serem utilizadas em sua estratégia.

Atenção também com sua página de produto, pois são importantíssimas para a conversão.

Nelas, o importante é sempre focar no usuário.

Use de um conteúdo extremamente específico para atrair o internauta.

O Google fala do que ele gosta

Como última dica, Victor pontua que o Google sempre, em suas diretrizes, “dá pistas do que ele gosta” nas ações de SEO para e-commerce.

Consulte a Central de Pesquisas do buscador, que contém guidelines e conteúdo de blog para aqueles que buscam algumas recomendações iniciais.

Se implementar essas melhorias em seu site for além das suas capacidades, pense em contar com uma agência de SEO para ajudá-lo a aparecer melhor posicionado nas pesquisas, conquistar mais tráfego orgânico e mais vendas.

Conclusão

Entender a intenção de busca é um dos passos mais importantes em uma estratégia de SEO sólida.

Além de ajudar muito a conferir Expertise, Autoridade e Confiança (E-A-T), três importantes pilares de um bom site para o Google, aos internautas.

Ficar atento às tendências também é um ótimo termômetro para saber como o público se comporta online e, se tiver relação com o seu nicho, surfar nessa onda.

Sempre tenha em mente que o usuário está em busca de algo para resolver suas dúvidas.

Colocar o internauta em primeiro lugar é o primeiro passo para entender e atender suas necessidades.

Não há comentários ainda. Seja o primeiro a escrever um.

Deixe seu comentário