Mulheres no e-commerce: 72% das lojas virtuais são comandadas por elas

Um estudo revela que as mulheres são líderes, quando se trata de empreender no mundo virtual, porém, ainda faturam menos que os homens. Veja os dados completos do estudo.

Abrir um e-commerce, se tornou a alternativa de muitos brasileiros para driblar a crise e continuar trabalhando mesmo diante do inesperado fechamento das lojas no ano de 2020.

 

 

Diante desse cenário caótico, foi preciso reinventar-se. E investir em uma loja virtual foi uma das maneiras mais sólidas de continuar no mercado.

Quem lidera o mercado de e-commerce hoje?

Dessa forma, você já parou para pensar sobre as características de quem colocou a “mão na massa” e entrou para esse mundo de lojas virtuais? 

Um estudo realizado pelas instituições: Data Nubank, Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), revelam a porcentagem de quem mais acreditou no setor que fez história.

Mulheres são maioria no comando de lojas virtuais

Cerca de 72% dos empreendedores que entraram para o ramo de vendas digitais são mulheres, contra 64% que são homens.

Não é de hoje que o público feminino tem se destacado em vários setores, inclusive quando se fala em compras. Investir nesse público é sempre uma boa ideia.

Confira também nosso e-book gratuito: Guia sobre hábitos de consumo femininos no Brasil.

As vendas online, realizadas por mulheres também são maiores

O levantamento mostra ainda, que as empreendedoras também são as responsáveis por realizar a maioria das vendas online.

Ou seja, 75% do faturamento do setor hoje é proveniente de vendas via redes sociais, aplicativos ou internet no geral de lojas virtuais comandadas por mulheres, contra 15% dos homens no total.

O que causa todo esse sucesso?

Não há como afirmar, porém tudo indica que esse cenário é motivado pela tripla jornada de trabalho das mulheres e sua flexibilidade de horários para atender nessa nova modalidade de vendas, por exemplo.

Outro fator que poderia ser relevante, é a maior escolaridade média das mulheres quando comparadas aos homens que empreendem.

Nubank reafirma desigualdade de renda entre gêneros

Apesar de todo o sucesso e esforço para se destacarem, um fato ainda chama a atenção na pesquisa. Segundo o Nubank, mesmo vendendo mais, a renda das mulheres empreendedoras ainda é inferior à dos homens.

Ou seja, segundo os dados, os clientes do Nubank que possuem conta PJ, obtiveram nos sete primeiros meses de 2021, uma receita média 23% maior do que a das mulheres, por exemplo.

No ano anterior, essa diferença era menor e foi de apenas 10,8%. Portanto, durante a pandemia as rendas se distanciaram ainda mais.

Com todas essas estatísticas, fica difícil não acreditar no potencial das mulheres e o quanto elas podem chegar longe! Para te inspirar a abrir seu e-commerce em 2022, conheça 6 mulheres no e-commerce com histórias inspiradoras!

 

Não há comentários ainda. Seja o primeiro a escrever um.

Deixe seu comentário