MEI no E-commerce: Dicas Importantes

O Brasil ganhou muitos novos microempreendedores individuais (MEIs) nos últimos meses. Muitas pessoas passaram a empreender por necessidade e muitas delas encontraram […]

O Brasil ganhou muitos novos microempreendedores individuais (MEIs) nos últimos meses.

Muitas pessoas passaram a empreender por necessidade e muitas delas encontraram no e-commerce a opção perfeita para enfrentar este período de recessão e manter as vendas por algum canal que não implicasse aguardar o cliente entrar na loja física. 

O caminho do comércio virtual é cheio de oportunidades mas também de desafios, por isso, separamos algumas dicas importantes para o MEI. Confira: 

Organize a sua operação virtual através de um ERP

Dispor de um sistema de gestão é fundamental, já que o investimento mensal é baixo se comparado aos benefícios que a ferramenta traz para a rotina.

Ele organiza a operação interna do negócio, integra os setores e automatizar processos, como emissão de notas fiscais, geração de boletos, fluxo de caixa e até a logística, para que no final da compra, o consumidor tenha uma boa experiência com a sua loja.

No caso do MEI, que muitas vezes está gerindo uma empresa pela primeira vez, o ERP também se apresenta como um sistema descomplicado e intuitivo. 

Venda em marketplaces

Algumas pessoas ainda têm dúvidas se MEI pode vender em marketplaces e a resposta é sim, porém é preciso entender quais marketplaces aceitam MEI na modalidade de vendedor.

Também avalie se consegue dispor de preços competitivos aos seus produtos, antes de iniciar o processo de integração aos marketplaces e verifique a taxa de comissionamento do canal.

Se o MEI encontrar alguma dificuldade nesta área de canais de venda é com relação à nota fiscal, já que alguns anais exigem, por questão de segurança, a geração do documento para todas as vendas concretizadas.

Porém, nem todos os MEIs emitem nota fiscal eletrônica (NF-e), que é a exigida pelos canais. Trata-se de um arquivo de computador em formato XML, que possui uma chave de acesso comprovando sua originalidade e exclusividade. Por isso, é preciso fazer a consulta sobre se o seu Estado emite a nota fiscal eletrônica, a fim de não ter problemas com os marketplaces que deseja vender.  

Principais cuidados antes do MEI entrar em um marketplace

  • Declarações de conteúdo;
  • Nota fiscal eletrônica (nf-e) com chave de acesso digital e emitida no formato de arquivo XML;
  • Conta jurídica (com o mesmo CNPJ da empresa) para recebimento dos pagamentos;
  • Produtos com código de barras legítimos e estoque a pronta entrega;
  • Itens com dimensões dentro dos limites estabelecidos pelos correios.

Integrar para vender mais

Microempreendedor é uma classificação de pequeno vendedor, por isso precisa estar em canais que valorizam a categoria.

Algumas plataformas inclusive oferecem treinamentos para auxiliar o lojista a utilizar a plataforma e compartilham conteúdos que ajudam a criar estratégias de venda importantes para quem está começando a atuar no comércio eletrônico.

Integrar os setores da empresa na hora de comprar, vender, e emitir notas e boletos é muito importante para que a conta feche sem que o empreendedor perca tanto tempo e energia nos processos diários. 

A integração através do ERP é uma maneira inteligente de ampliar possibilidades de venda e, ao mesmo tempo, marcar a presença online, ampliando a vitrine a diferentes consumidores. Quando o negócio está integrado a um sistema de gestão único, é possível vender em múltiplos canais sem perder o controle de vendas, estoque, financeiro e logística. 

Outras obrigações do MEI

  • Nota fiscal:
    Como falamos, cada marketplace tem suas regras, mas quando se trata de logística, os Correios, por exemplo, exigem a apresentação da nota fiscal impressa e anexada na embalagem do produto. Também é possível  optar pela declaração de conteúdo, exceto quando a venda for para outra empresa. 
  • Declaração de Imposto de Renda:  A Declaração Anual do Simples Nacional (DASN SIMEI) deve ser entregue até 31 de maio, referente ao exercício fiscal do ano anterior. 
  • Mensalidade: A formalização do MEI não tem custo, mas após a formalização é necessário o pagamento mensal dos tributos de R$ 52,25 (INSS), acrescido de R$ 5,00 (para Prestadores de Serviço) ou R$ 1,00 (para Comércio e Indústria) por meio do DAS (carnê) emitido através do Portal do Empreendedor. É importante manter os pagamentos em dia para emitir suas notas. 

O MEI é uma modalidade que estará cada vez mais presente também no e-commerce, já que os profissionais do nosso tempo são marcados por características como a fluidez também no processo de empreender. Esteja atento ao mercado e faça o seu negócio se destacar com organização interna e boas estratégias de venda online.

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário