O que é GMV e qual a importância dessa métrica para o e-commerce?

GMV ou Gross Merchandise Value é uma métrica do varejo online, que ajuda as empresas a identificarem quanto de receita foi gerado pelos seus canais digitais em um determinado período de tempo.

O GMV é uma métrica que faz parte do cotidiano dos empreendedores online e donos de e-commerce.

Isso porque ela é uma das ferramentas que mostram os resultados do negócio e indicam se as ações realizadas estão surtindo um efeito positivo na saúde financeira do negócio.

Ainda assim, muitos empreendedores não sabem o que é, e nem como medir esse indicador de performance.

Não olhar para o GMV pode ser um erro comprometedor para qualquer negócio e é fundamental saber como ele funciona.

Neste artigo, vamos explicar o que é o GMV e o porquê dele ser tão importante para os e-commerces. Se é sobre isso que você quer saber, não deixe de conferir as próximas linhas!

O que é GMV?

Gross Merchandise Value (GMV), que traduzido para o português seria “volume bruto de mercadoria”, é o valor total de uma mercadoria durante um período determinado nas vendas no modelo C2C ou por um e-commerce.

Essa é uma importante métrica para medir o crescimento de um negócio ou o desempenho de um site, bem como um e-commerce, ao vender produtos online.

É muito comum essa métrica ser usada para indicar a saúde financeira de um e-commerce porque a receita gerada será em função das vendas realizadas e das taxas cobradas pela comercialização desses produtos.

Também conhecido como volume bruto de mercadorias; ambas as nominações indicarão o valor monetário total de uma mercadoria.

Por que o GMV é uma métrica importante para o seu negócio?

Saber o GMV é de grande importância para aos e-commerce e empreendedores que estão em marketplaces, porque mede o volume de mercadorias vendidas, bem como o valor de cada uma.

Pode-se dizer que o GMV diz respeito ao valor total de vendas fechadas.

É um indicativo do desempenho de um negócio de modo geral. Afinal, se o GMV de um e-commerce é alto, significa que as vendas estão positivas.

Do contrário, é preciso entender o que deve ser feito para aumentar as vendas e diminuir os custos.

Para os empreendimentos online o GMV é muito útil quando utilizado como medida de comparação entre os resultados da métrica, ao longo de um período estabelecido.

Como exemplo, comparar o GMV do trimestre atual com o do trimestre passado.

Ainda assim, por mais importante que seja, o GMV deve ser usado como uma maneira complementar de interpretar os dados gerados com as vendas de produtos.

Complementar, porque os dados não são tão precisos como outras métricas.

O GMV não leva em consideração, no momento do cálculo, fatores de grande importância, como as despesas e os custos envolvidos nas vendas online.

Portanto, o frete, as devoluções, descontos, cupons e custos com estratégias de marketing não são contabilizadas para chegar ao GMV do e-commerce.

Logo, o GMV não deve ser descartado, mas sim utilizado como um indicador de crescimento e que deve ser feito de forma comparativa.

Como mencionamos, ele pode ser uma medida complementar para auxiliar no entendimento geral com outras métricas.

Mas, vamos falar sobre isso em um tópico mais a frente. Agora, é preciso entender como calcular o GMV.

O que considerar para calcular o GMV?

O cálculo do GMV é bastante simplificado, já que apenas dois dados são necessários para aplicar a fórmula.

É preciso ter em mãos o valor dos produtos vendidos e a quantidade de produtos que foram vendidos em um período.

Também existe outra forma de calcular essa métrica com base no ticket médio de um cliente.

Dessa forma, basta fazer a multiplicação do número total de vendas pelo valor médio que um consumidor gasta quando faz uma compra no e-commerce.

Essas duas formas mostram a relevância de utilizar métricas complementares para entender mais profundamente a saúde financeira do negócio, já que custos essenciais não entram na fórmula do GMV.

Como calcular o GMV?

A maneira mais simples de chegar ao resultado do Gross Merchandise Value é começando pelo preço final da venda e multiplicar pelo número de produtos vendidos em um trimestre, por exemplo.

Assim, com base nesses dados, a fórmula deve ser aplicada da seguinte maneira:

GMV = preço da venda X número de produtos vendidos.

Se um determinado e-commerce vender 20 bonés, onde cada boné custa R$ 30,00 reais, em um mês, basta aplicar esses números na fórmula mostrada acima. Exemplo:

GMV = 30,00 X 20

GMV = R$ 600,00

Logo, para esse período o valor bruto das vendas é de R$ 600,00.

O outro exemplo apresentado no tópico acima, aplica a fórmula utilizando o número total de transações realizadas multiplicado pelo valor médio de compras de um cliente (AOV ou Ticket médio).

Nesse caso, digamos que um e-commerce vendeu 30 produtos e que o ticket médio de seus clientes é de R$ 100,00. Aplicando a fórmula:

GMV = 20 (transações realizadas) X 30 (ticket médio)

GMV = R$ 600,00

Exemplo de GMV

Para ficar ainda mais fácil de compreender o uso do cálculo do GMV, vamos pegar duas grandes empresas de vendas Customer-to-Customer (C2C), que são a Amazon e o Mercado Livre.

Digamos que no primeiro trimestre a Amazon vendeu 100 produtos. Para simplificar, digamos que todos os produtos em questão foram vendidos por R$ 5,00. Para o primeiro trimestre, o GMV da Ebay, foi:

GMV Amazon = 100 X 5 = R$ 500,00

Agora, ainda como exemplo, digamos que o Mercado Livre vendeu 80 produtos, novamente para simplificar, todos os produtos vendidos valiam R$ 4,00. Para o primeiro trimestre o GMV do Mercado Livre, foi:

GMV Mercado Livre = 80 X 4 = R$ 320,00

Neste exemplo que usamos, fica evidente que o empreendedor da Amazon tem um GMV maior do que o que comercializa produtos no Mercado Livre.

Ainda assim, essa é apenas a visão superficial do faturamento, já que cada marketplace deve repassar a maior parte do dinheiro das vendas para o proprietário dos produtos.

Logo, digamos que a porcentagem a taxa da Amazon seja de 2%, logo o valor que fica com a Amazon é de R$ 10,00.

O Mercado Livre por sua vez, fica com uma taxa de 4%, vamos supor.

Portanto, o Mercado Livre ficará com o valor de R$ 12,80. Nesse exemplo, por mais que o GMV da Amazon seja melhor, o Mercado Livre performou melhor porque teve uma receita final maior.

Quais as limitações do Gross Merchandise Volume?

A principal limitação do GMV é que ele deve ser analisado como medida para o valor bruto das vendas realizadas em um período. Ele não oferece outros dados de grande importância para um e-commerce, como

Vantagem e desvantagem do GMV

Ainda que os revendedores podem ou não serem os produtores das mercadorias comercializadas, medir Gross Merchandise Value de todas as vendas, fornece dados sobre a performance do negócio.

Ainda mais para o modelo C2C, onde os revendedores atuam como uma terceira parte para conectar compradores e vendedores sem ter muita participação nessa comercialização.

Já como desvantagem, o GMV não mostra a lucratividade real de um negócio.

Já que, como mostramos nos tópicos acima, muita da receita das vendas pode ir para o produtor ou revendedor, fazendo com que uma pequena porcentagem seja o valor real dos ganhos da empresa.

Quais indicadores podem ser usados com o GMV?

Como já mencionado, o GMV oferece informações valiosas sobre a venda bruta dos produtos comercializados, mas deve ser acompanhada de outras métricas de performance para que os dados gerados sejam ainda mais completos.

Veja abaixo algumas das métricas que devem acompanhar o GMV. Vamos lá!

Ticket médio

O ticket médio, como já falamos, é a média de gasto que um determinado cliente tem com a empresa ao longo do relacionamento com essa marca.

Ele mostra se as vendas realizadas ao longo de um determinado período foram realmente vantajosas para um empreendimento.

O ticket médio de um negócio deve cobrir o custo de aquisição de clientes e gerar uma margem de lucro satisfatória para o empreendimento. O cálculo dessa métrica, é:

Ticket médio = faturamento mensal / quantidade de vendas realizadas nesse mês

CAC (Custo de aquisição de cliente)

O CAC é o custo total necessário para as ações investidas na captação de um novo cliente.

Em boa parte dos casos, o custo de aquisição de clientes está diretamente ligado aos esforços dos times de marketing e vendas. Mas, isso pode ser diferente em outros tipos de negócio.

O CAC deve ser calculado levando em consideração os investimentos e o clientes adquiridos no mesmo período.

Isso porque caso em um determinado mês foram contratados novos colaboradores, o CAC provavelmente será maior, já que os novos clientes não trarão novos clientes já no primeiro mês.

Para chegar ao CAC, o cálculo é o seguinte:

CAC = (investimento em marketing + investimento em vendas) / número de novos clientes

Alguns investimentos devem ser considerados para chegar ao valor real de custo de aquisição de clientes.

Os investimentos de marketing que devem ser considerados para o CAC, são: salários, ferramentas de marketing, mídia paga, eventos e tudo o mais que estiver incluindo no marketing.

Já para o setor de vendas, os investimentos que devem ser considerados, são: salários, ferramentas de vendas, comissões de colaboradores, viagens, e tudo o que fizer parte da estrutura e processo de vendas.

Margem de contribuição

A margem de contribuição também é uma métrica muito relevante para acompanhar o resultado do GMV de um e-commerce.

A margem de contribuição diz respeito ao valor restante após descontar todas as despesas e os custos variáveis de um empreendimento.

Geralmente, a margem de contribuição é usada para o pagamento das despesas fixas do negócio. Portanto, também é conhecida como lucro bruto do negócio. O cálculo, é:

Margem de contribuição = valor das vendas – (custos variáveis + custo fixo)

Taxa de abandono de carrinho

A taxa de abandono de carrinho é quando um potencial cliente percorre o canal de vendas do e-commerce, seleciona os produtos que deseja, mas não finaliza a compra.

Essa é uma métrica que desponta com altos valores em muitos empreendimentos. É importante conhecer essa métrica, porque ela influencia muito no GMV do negócio.

Esse é uma métrica que a maioria das plataformas de vendas disponibiliza aos empreendedores, e não precisa de uma fórmula para ser compreendida.

Contudo, é importante conhecer os principais motivos para que ela ocorra, são eles:

  • alto preço do frete;
  • valor mínimo para o frete grátis;
  • demora na entrega;
  • falta de diversidade nas formas de pagamento;
  • usabilidade da plataforma;
  • problemas técnicos.

Taxa de conversão

A taxa de conversão diz muito sobre a eficiência real da comunicação de uma página ou site.

Isso porque ela oferece dados sobre o retorno de cada investimento e ação de um e-commerce. Essa métrica pode se referir a dinheiro ou tempo gasto em ações, como os setores de marketing e vendas.

Ela é uma forma de entender com precisão o resultado de um esforço específico ou geral do negócio.

Por exemplo, existe a taxa de conversão de visitantes para leads, de vendas, de landing pages e muito mais.

Vamos pegar como exemplo a taxa de conversão de visitantes do site para Leads. Como objetivo, a empresa deseja coletar mais informações, como o contato de e-mail, para que possa nutrir esse lead de forma mais eficiente.

Com dados fictícios, temos, 10.000 acessos mensais no site, que são os visitantes. Desses, 598 responderam o questionário e informaram os dados, leads. Logo:

Conversão de leads = 598/10.000

Taxa de conversão de leads = 5,98%

NPS

O Net Promoter Score (NPS) indica o grau de satisfação que um cliente tem com uma marca, bem como o grau de fidelidade desse consumidor.

Essa métrica é tão relevante que muitas empresas adotam a mesma metodologia, que é a de fazer uma única pergunta objetiva. A pergunta, é:

“Em uma escala de 0 a 10, o quanto você recomendaria a empresa Y para um amigo?”

Essa única pergunta permite aos gestores entenderem muito sobre o sentimento do consumidor em relação a marca. É muito eficiente e rápida de ser compilada, já que se trata de uma única resposta.

Tempo gasto no site

O tempo gasto no site também é disponibilizado por boa parte dos marketplaces e plataformas de vendas e apresenta insights muito valiosos. Isso porque se for muito baixo, pode indicar que as informações são irrelevantes, que o site não é responsivo, que não tem boa estrutura e muito mais.

Assim, caso o tempo gasto no site seja baixo, o GMV do negócio pode estar comprometido.

O GMV é uma importante métrica que mostra o desempenho de um negócio ou site de vendas. Isso porque ele indica o valor bruto das mercadorias, o que influencia nas vendas.

O cálculo é bastante simples e as empresas devem se atentar ao resultado. No entanto, apesar da importância, muitas informações podem ficar incompletas se não forem unidas com outros dados.

Portanto, é fundamental acompanhar outras métricas para que o gestor possa realmente entender como está a saúde financeira do negócio.

Quer aprender mais sobre KPIs de E-commerce? Confira as 15 principais métricas para acompanhar!

Não há comentários ainda. Seja o primeiro a escrever um.

Deixe seu comentário