O que é o figital e como inserir o seu negócio no formato

No momento em que vivemos, fica difícil definir uma operação sendo unicamente física ou digital. Por isso, o figital surge para mesclar […]

No momento em que vivemos, fica difícil definir uma operação sendo unicamente física ou digital. Por isso, o figital surge para mesclar os formatos de venda e oferecer ao cliente opções para realizar a sua compra através da hibridização do atendimento. 

As vendas online ocorrem através de lojas virtuais, marketplaces, redes sociais e até por aplicativos como o WhatsApp, e tudo isso pode — e deve — estar relacionado ao ambiente físico, dando ao cliente maior autonomia na escolha da compra. 

O figital já pensa em um futuro cenário de pós pandemia, onde possivelmente ainda manteremos hábitos de compra online, mas as experiências em lojas físicas podem ser facilitadas através de autoatendimento. Neste artigo, confira como aplicar uma estratégia para tornar o seu negócio fígital. Confira: 

Figital: híbrido e integrado

O figital vem para reforçar o comportamento omnichannel do cliente e passa a dar a ele  cada vez menos uma diferenciação entre os ambientes de compra. O comércio passa a ser híbrido para torna-se cada vez mais integrado. 

Uma estratégia figital, nada mais é do que uma estratégia de integração dos ambientes de venda. Ele também se aplica aos serviços, estudos e conhecimento, e é baseado no conceito omnichannel, onde a experiência do consumidor é definida por ele, e as marcas passam a se fazer presentes em diversos canais e formatos. 

Ações que mesclam as experiências de consumo são pensadas para facilitar a jornada do consumidor e manter os negócios cada vez mais ativos em qualquer um dos ambientes.  

Mas afinal, como aplicar o figital ao meu negócio? 

Nos tempos em que vivemos, principalmente de um ano para cá, é bem provável que os negócios já precisaram se adaptar de alguma forma para estar presente ou no online, ou no ambiente físico para atender o cliente. 

Isso significa que ter um negócio somente em um dos modelos, físico ou no digital, já não contempla as necessidades do consumidor do nosso tempo. Para isso, as marcas estão em processo de adaptação, mesclando as operações e tendo resultados positivos com base na integração entre os universos de consumo. Alguns processos já fazem parte dessas estratégias de adaptação: 

 

  • Chat de atendimento:
    No e-commerce, disponibilizar um chat de atendimento é um fato que aproxima o cliente do negócio de forma física, dando maior engajamento à compra, tirando dúvidas em tempo real e mesclando a operação digital ao meio físico. 
  • Compra online, retira na loja:
    Essa talvez é a estratégia mais lembrada quando pensamos em hibridização do comércio. Dar ao cliente a opção de comprar online e retirar na loja física, além de tornar a operação eficiente também dá ao cliente o protagonismo de escolha em não pagar pelo frete. O contrário também se aplica, quando o cliente escolhe o produto na loja física, mas quer a comodidade (e muitas vezes o preço mais atrativo) da compra online. 
  • Autoatendimento:
    Aplicável nas lojas físicas, um totem de autoatendimento já é um facilitador para que o cliente já saia escolhendo seus produtos de forma digital, e finalize a compra com um vendedor da loja. Isso é considerado uma tendência no pós-pandemia, onde as pessoas terão menor interação com atendimento presencial. 

 

  • Sistema de gestão ERP:
    Para administrar uma operação que compreende vendas físicas e online, é preciso uma gestão automatizada para que as vendas e entregas sejam feitas de maneira integrada. Desde ferramentas como o PDV online até o estoque e a logística de entrega, o ERP  facilita o trabalho e possibilita emitir notas fiscais, imprimir etiquetas e ter um PDV integrado entre as operações. 

Presença física e virtual

O figital é um movimento que indica que, cada vez mais, os negócios irão transitar pelos canais de consumo variados em busca de maior conexão com o consumidor. Todas as estratégias são para ampliar as vendas e se fazer presentes no raio de desejo e de possibilidade de consumo do cliente. Seja uma vitrine na rua ou um banner no marketplace. 

O empreendedor precisa navegar entre esses mundos e entender as diferentes linguagens que unem a experiência de consumo em uma única jornada. 

Enquanto as marcas estão em processo de adaptação, cabe ao consumidor perceber o seu caminho de consumo e quais são os formatos que mais fazem sentido para o seu estilo de vida atual. 

A tecnologia, através das ferramentas de integração, são fundamentais para que a experiência de consumo seja completa e cada vez mais integrada.

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário