As principais diferenças entre loja virtual e marketplace
Aumente suas vendas usando mídia digital em 6 passos

Cross docking: saiba o que é e como implementá-lo

Publicado em: • Última Atualização:

Em tempos de mercado cada vez mais competitivo e clientes mais exigentes, é preciso elaborar estratégias que ajudem a reduzir custos e melhorar a qualidade do atendimento. Você sabia que tudo isso pode ser feito por meio da implementação de um modelo de cross docking no seu e-commerce?

Quer saber como isso funciona, de que forma pode contribuir para otimizar as suas operações e como pode ser gerenciado? Então fique atento, porque abordaremos, neste post, vários aspectos relacionados a esse método. Confira!

Afinal, o que é o cross docking?

Cross docking é um método adotado na logística que libera a empresa de fazer um estoque de produtos para conseguir atender aos clientes. Dessa forma, os processos são simplificados, trazendo com isso mais agilidade no envio dos pedidos.

Em uma tradução literal, cross docking quer dizer cruzando docas, o que reflete basicamente do que a operação se trata. Nessa dinâmica, assim que uma compra é feita, o fornecedor é acionado para enviar os itens para a loja. A loja, por sua vez, recebe essa remessa, separa os produtos e já os manda para a entrega.

Todo o fluxo de trabalho é feito no menor tempo possível, liberando a carga imediatamente ou deixando tudo na doca por 2 ou 3 dias, tempo necessário para consolidar os pedidos e otimizar a rota.

Contudo, para que esse sistema seja eficaz, é preciso ter muito cuidado com o processo de conferência na doca de recebimento, buscando eventuais divergências. Também é necessário atentar para a separação e a expedição dos produtos, verificando para confirmar a exatidão de cada solicitação.

Unindo o Just in Time (JIT), o Electronic Data Interchange (EDI) e a necessidade de oferecer respostas rápidas para os clientes, o cross docking não só se torna possível como também entrega os resultados esperados, atendendo às necessidades tanto da empresa como do público.

Quais são os tipos de cross docking existentes?

O cross docking pode ser feito de 3 formas diferentes em uma empresa — como você vai ver a partir de agora.

Movimentação contínua

Nesse caso, os produtos são enviados pelo fornecedor e, assim que recebidos, são imediatamente separados para envio. É a maneira mais tradicional do cross docking, visto que busca evitar a formação de estoques, mesmo que seja nas docas, aguardando a roteirização.

Movimentação consolidada

No modelo consolidado, os produtos são recebidos e separados. Aí, enquanto parte deles é enviada para os clientes, outra parte fica armazenada, a fim de formar outros pedidos completos quando os demais itens chegarem.

Movimentação de distribuição

Essa modalidade é mais adotada no Business to Business (B2B), quando empresas negociam diretamente com outras empresas — e não com o consumidor final. Aqui, os produtos são recebidos, separados e enviados em cargas tipo lotação (veículos totalmente carregados) para os clientes.

Que vantagens proporciona para as empresas?

Quando adequadamente estruturado e implementado, o cross docking pode proporcionar diversas vantagens para um negócio. Listamos aqui as principais delas.

Redução do lead time dos pedidos

Por não ser preciso lidar com operações complexas de armazenagem, a transferência direta para os clientes permite economizar tempo e, com isso, reduzir os prazos de entrega. Dessa forma, o período total de processamento e envio é menor, possibilitando o aumento da satisfação dos consumidores, além de melhorar a imagem da empresa no mercado.

Diminuição de custos

A redução de custos surge por meio da eliminação (ou drástica diminuição) da necessidade de manter altos níveis de estoque. Por si só, isso já acaba com desperdícios e perdas que acontecem em um armazém — como obsolescências e avarias.

A mão de obra, a movimentação dos produtos e o custo com frete de fornecedores também são reduzidos, visto que é possível agrupar os pedidos, enviando o volume de uma só vez.

Menor necessidade de capital de giro

Outro ponto que vale destacar é que um estoque imobiliza uma quantia considerável do capital de giro do negócio. A boa notícia é que, ao adotar o cross docking, essa necessidade deixa de existir. Como os produtos já estão vendidos quando chegam na empresa, o dinheiro usado na aquisição é rapidamente recuperado.

Essa economia pode ser usada para investir em melhorias e outras questões estratégicas ou mesmo para fazer alguma aplicação financeira que trará rendimentos positivos.

Integração da cadeia de suprimentos

A partir do momento que o estoque é praticamente eliminado da empresa, é necessário manter um relacionamento estreito com os fornecedores e as transportadoras, a fim de que o fluxo do pedido seja executado com eficiência.

Essa aproximação facilita a gestão da cadeia de suprimentos, ao mesmo tempo em que torna os membros mais integrados. Com os processos devidamente alinhados, o negócio garante o melhor serviço para os clientes.

Em que momento adotar essa estratégia?

O cross docking pode ser implementado já no início do e-commerce. Apesar de ser uma estratégia arriscada, um bom planejamento pode contribuir para o alcance de resultados mais que satisfatórios. A principal vantagem disso é que já é possível iniciar as operações sem a necessidade de fazer grandes investimentos!

Por outro lado, se a sua loja virtual já funciona há algum tempo, o momento de adotar essa modalidade é quando você percebe a necessidade de reduzir custos e otimizar os prazos de atendimento, criando um diferencial competitivo.

O importante é estudar a viabilidade de implementá-lo e fazer um planejamento para que a operação seja eficiente e traga os resultados esperados. Caso contrário, corre-se um grande risco de contar com uma operação ineficiente e prejudicar a qualidade dos serviços para o cliente — uma questão que pode gerar bastante insatisfação e prejudicar a imagem da companhia no mercado.

Como assegurar uma implementação eficaz?

A adoção de um modelo de cross docking demanda alguns cuidados que precisam ser levantados no planejamento e, de preferência, providenciados antes de dar início à operação. Confira as nossas dicas a seguir de como o projeto pode ser implementado!

Encontre fornecedores qualificados e confiáveis

Seus parceiros de negócio precisam ser confiáveis. Esse é um fator imprescindível para o sucesso da operação. Portanto, no momento da cotação, levante algumas informações importantes, como prazos de reposição e facilidade em atender a um possível (e repentino) aumento da demanda.

Tenha a tecnologia como a sua aliada

Ferramentas tecnológicas são grandes aliadas do ganho de eficiência e agilidade, bem como ajudam na redução de erros e na melhoria da comunicação, entre outros benefícios. Além de serem importantes para otimizar as rotinas da empresa, são fundamentais para garantir o fluxo de informações com os fornecedores e as transportadoras e para integrar as áreas do negócio.

Ofereça treinamentos para as equipes

Sem colaboradores preparados e qualificados para executar as atividades, dificilmente será possível alcançar os resultados esperados. E isso vale para cargos desde os mais operacionais até os mais táticos e estratégicos. Os treinamentos podem ser voltados para questões como o manuseio correto dos produtos, os prazos de cada processo, as informações necessárias em cada etapa e por aí vai.

Esteja preparado para responder aos clientes

Por mais bem estruturada que seja uma rotina, imprevistos sempre podem acontecer, prejudicando o andamento dos processos. É importante, assim, contar com planos de contenção e contingência, além de ter um bom suporte do atendimento para fortalecer o relacionamento com os clientes, tirando dúvidas, oferecendo informações e atualizando os status das entregas, por exemplo.

Conte com um centro de distribuição

Trata-se do espaço onde as operações serão realizadas. Nesse centro, você receberá os produtos do fornecedor e fará todos os preparativos para encaminhá-los aos clientes. Como o objetivo é não manter estoques, não é necessário contar com um espaço grande — dependendo do volume de pedidos processados diariamente pela sua empresa.

Em relação a pequenos e médios negócios, é possível contar com um pequeno escritório, que permita receber, consolidar e enviar os produtos para os clientes.

Faça um projeto-piloto

Antes de entrar com tudo nesse modelo de negócio, vale a pena elaborar um projeto-piloto e testar, por determinado período, a viabilidade da operação. É importante adotar a estratégia aos poucos, testando algumas remessas, antes de transformar toda a operação.

Isso serve também para verificar as melhorias que precisam ser feitas, as mudanças que devem ser aplicadas, entre outros aspectos que estejam mais voltados para as boas práticas. O momento ideal para procurar erros e falhas que podem prejudicar todo o processo depois que a estratégia for colocada em prática.

Como garantir que a estratégia seja bem-sucedida depois de implementada?

Não basta ter uma estratégia bem definida para que o cross docking proporcione os resultados esperados. Isso quer dizer que, mesmo depois de todo o projeto de implementação, é necessário tomar alguns cuidados básicos. Conheça alguns deles nos tópicos a seguir.

Utilização de sistemas de gestão integrada

Para o bom funcionamento do cross docking, é de suma importância que o fluxo dos produtos (e de informações) seja sincronizado — tanto internamente quanto com os fornecedores.

Nesse sentido, investir em um sistema de ERP, que integra os diversos setores de uma empresa, é uma excelente forma de compartilhar dados importantes a respeito das vendas e da necessidade de realizar novas compras, por exemplo.

Monitoramento do desempenho dos fornecedores

Como dito em um tópico anterior, é essencial formalizar acordos com fornecedores confiáveis para que se evite o risco de desabastecimento e, consequentemente, o atraso nas entregas para os compradores.

Como eles são responsáveis por garantir a reposição em tempo hábil para envio aos clientes, monitorar esse desempenho é uma forma de fazer cumprir o acordo assinado. O indicador de nível de serviço é a ferramenta ideal para esse trabalho, já que permite visualizar o percentual de entregas feitas fora do prazo.

Caso esse KPI mostre números aquém do esperado, vale a pena reconsiderar a parceria e procurar outros fornecedores no mercado.

Implementação de um serviço de SAC

A possibilidade de acompanhar o status dos pedidos é um fator que ajuda a garantir a satisfação dos clientes em relação ao serviço prestado. Nesse sentido, implementar um SAC é uma forma de garantir o atendimento adequado.

Além disso, vale a pena citar a questão da transparência em casos de possíveis atrasos, na qual os compradores são avisados sobre os imprevistos antes de constatarem o problema e precisarem entrar em contato com a central.

Apesar de se tratar de um problema, as expectativas passam a ficar equilibradas e a loja passa a ter mais credibilidade no mercado.

Análise da eficiência do centro de distribuição

O centro de distribuição tem um papel fundamental em todo o processo, visto que é nele que os produtos serão recebidos, processados nos pedidos e encaminhados aos clientes.

Independentemente de se tratar de uma estrutura própria ou terceirizada, é importante acompanhar indicadores como:

  • índice de pedidos com erro (itens trocados e não solicitados, por exemplo);
  • índice de avarias;
  • índice de perdas ou extravios.

A análise sobre as reclamações abertas pelos clientes pode ajudar a entender a dinâmica dessas falhas — mas, para isso, é preciso separar o que é erro da transportadora e o que ocorreu internamente.

Acompanhamento das vendas e previsão de demanda

O acompanhamento das vendas permite entender o fluxo de saída dos produtos e fazer uma estimativa para os próximos períodos. A partir disso, o ideal é criar uma previsão de demanda, para que seja possível se antecipar ao comportamento dos clientes.

É crucial manter o controle, também, da sazonalidade de determinados itens. Compreender os períodos de pico e de queda na procura é essencial para readequar a estratégia e acionar o fornecedor com as quantidades necessárias para suprir a demanda — evitando faltas ou excessos de produtos.

Definição de boas práticas para os processos

A fase de implantação conta com um projeto-piloto para verificar a viabilidade da operação e todos os ajustes necessários para aumentar a eficiência e a eficácia do cross docking.

Entretanto, depois que a implantação já foi feita, ainda é preciso buscar melhorias que vão contribuir para a otimização dos resultados. Isso inclui:

  • correção de erros;
  • redução ou eliminação de desperdícios;
  • eliminação de etapas desnecessárias (que não agregam valor ao resultado).

Vale a pena realizar um trabalho de benchmarking — que consiste no estudo sobre as boas práticas de mercado. Para isso, pode-se analisar os processos dos concorrentes diretos e de líderes de mercado que atuam com esse modelo de gestão.

Dessa forma, fica mais fácil saber quais são os processos mais acertados e que podem contribuir para aprimorar o fluxo de atividades no seu negócio. É preciso lembrar que não se trata de copiar o que outras empresas andam fazendo, mas sim de avaliar o que deu certo para cada uma delas e adaptar os processos ao seu método de trabalho.

Implementação de melhorias contínuas

Por mais que um processo seja bem estruturado, é provável que ele ainda tenha brechas para melhorias. Isso quer dizer que, de tempos em tempos, uma revisão pode ser realizada a fim de minimizar os pontos fracos e reforçar os pontos fortes de cada fluxo de trabalho.

Isso pode ser feito sempre que se detecta uma falha, quando se deseja reduzir os custos ou os resultados precisam ser melhorados, por exemplo. Na prática, o ideal é realizar um mapeamento dos processos e apontar quais etapas precisam ser modificadas.

A partir daí, basta acompanhar os novos resultados e identificar se eles estão dentro do esperado ou se ainda é preciso fazer mais alguns ajustes. Os indicadores de desempenho são uma excelente forma de mensurar o impacto das mudanças na empresa.

Como você pôde ver, um cross docking pode ser uma excelente solução para a redução de custos e prazos, bem como para possibilitar o aumento do grau de satisfação dos clientes com a sua organização. Porém, para que ele traga os resultados esperados, precisa ser adotado com base em muito planejamento e alguns cuidados básicos.

Gostou deste conteúdo e quer acompanhar outros artigos que publicamos aqui no blog? Então siga a nossa página no Facebook e não deixe de acompanhar as atualizações!

Ficou com alguma dúvida? Faça parte do nosso grupo no Facebook com especialistas em e-commerce e outros lojistas e envie sua pergunta.

Está pensando em criar uma loja virtual? Faça o teste e descubra se você está pronto!

Cross docking: saiba o que é e como implementá-lo
5 (100%) 1 voto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10% de desconto
50% de desconto
10% de desconto
30% de desconto
20% de desconto
30% desconto
50% de desconto
20% de desconto
30% de desconto
50% desconto
30% de desconto
50% de desconto
Gire e ganhe desconto no ingresso
Digite seu endereço de e-mail e gire a roda. Esta é sua chance de ganhar descontos incríveis!

Escolha a cidade para o desconto!

Regras:
  • Uma chance por email
  • Não acumula para outra cidade
  • Enquanto durarem os ingressos free.