6 erros cometidos na precificação de produtos no marketplace
E-commerce: O Funil de Marketing para lojas virtuais. Dicas para melhorar as vendas.

8 passos para aumentar a conversão em lojas virtuais

Publicado em: • Última Atualização:

Pare para reparar: é bem difícil encontrar um lojista que esteja totalmente satisfeito com o faturamento do seu negócio. Daí a necessidade de pensar em formas de aumentar a taxa de conversão de vendas do seu e-commerce!

O trabalho nessa área precisa ser contínuo, principalmente em um cenário de maior concorrência como o que vivemos atualmente. Afinal, o comércio eletrônico no Brasil ganha mais força a cada dia. Basta digitar esse termo no Google para ver que ferramentas, estudos, cases, pesquisas e diversos outros conteúdos de qualidade sobre o assunto se multiplicaram exponencialmente nos últimos anos.

Hoje em dia, o empreendedor que atua com vendas via internet não passa mais sufoco como antes. E saiba desde já: contando com uma plataforma de loja virtual qualificada fica mais fácil ainda.

Mas como então se destacar nesse cenário? O que fazer para aumentar taxa de conversão da sua loja virtual se os concorrentes também estão evoluindo? Pois se o básico todo mundo faz, o segredo está nos detalhes. Acredite: dar atenção a pequenas melhorias (muitas vezes até bem simples) no site já faz uma enorme diferença no aumento das vendas.

Se chegou até este post é porque está interessado no assunto, certo? Então continue acompanhando para conferir 12 dicas de otimização de conversão para seu e-commerce!

1. Priorize a experiência do usuário

Essa é a regra principal não só do e-commerce, mas do marketing digital como um todo. Como é o usuário quem manda, sua experiência de compra deve servir de norte para qualquer melhoria de layout, arquitetura ou conteúdo que você resolva fazer na loja.

Tudo deve ser pensado para que ele se sinta confortável ao navegar no site, encontrando todas as informações que procura e não precisando fazer grandes esforços para executar uma ação. Só assim ele sentirá confiança na sua loja e conseguirá concretizar compras sem desistir pelo meio do caminho.

2. Construa um site responsivo

E já que falamos que você deve priorizar a experiência do usuário, um ponto não pode ficar de fora: lembre-se de que muitas pessoas acessam seu site pelo celular. Para você ter uma ideia, as vendas por dispositivos móveis aumentaram 24,8% em 2017, comparando com o ano anterior. E a tendência é que esse número cresça cada vez mais.

Com um site responsivo, o usuário tem uma interação ágil e eficiente com a loja, conseguindo visualizar informações e imagens de maneira adequada ao tamanho da tela que escolheu usar. Não tem jeito: os hábitos de consumo mudaram. E você precisa acompanhar.

Além disso, tomando essa providência cada vez mais necessária, você ainda ganha pontos em SEO e melhora seu posicionamento nos resultados da busca orgânica. Isso porque o Google prioriza as páginas que se adaptam a qualquer dispositivo.

3. Convoque o visitante a agir

Os CTAs (do inglês calls to action) nada mais são que chamadas para a ação. No layout, elas tomam a forma de botões com frases no imperativo para que o usuário realize alguma ação que você deseja. Sim, estamos falando de conversões. É o caso de convidar o usuário a se cadastrar (cadastre-se aqui), a comprar (compre agora) ou a aproveitar uma promoção (não perca esse desconto), por exemplo.

Quando bem pensados e usados, os CTAs incentivam a ação instantânea de clicar no botão, o que ajuda, claro, a aumentar a taxa de conversão. Use esse recurso especialmente em suas páginas de produto, no carrinho de compras e nos canais de divulgação, como e-mail marketing.

4. Facilite o processo de checkout

O momento em que um usuário insere o produto no carrinho é crucial para uma loja virtual, que fica aí bem mais próxima de realizar uma venda. É por isso que, nas páginas de checkout, o ideal é facilitar ao máximo a vida do comprador e evitar distrações. Confira alguns pontos importantes nesse sentido:

  • informe claramente os passos para finalizar o processo de compra;
  • minimize a quantidade de informações — tirando o menu e destacando o CTA, por exemplo;
  • peça apenas aqueles dados que são realmente necessários no formulário de cadastro.

Essas são apenas algumas ações que você não só pode como deve tomar para simplificar a finalização das compras. Mas não se limite a elas, ok? Você também pode monitorar o funil de conversão da sua loja a fim de perceber em quais páginas os visitantes abandonam o carrinho, implementando melhorias pontuais a partir daí, por exemplo. Não custa lembrar, mais uma vez, que o foco deve estar na experiência do usuário.

5. Transmita segurança

Um exemplo do que deve constar nas páginas de checkout são os selos de segurança. Emitidas por organizações especializadas em segurança da informação e pagamentos online, essas certificações transmitem credibilidade para a loja. Além disso, a adoção do protocolo HTTPS, por meio de um Certificado SSL, assegura que o site é criptografado, o que significa que as informações inseridas pelos usuários estão devidamente protegidas.

Essas ações são essenciais para o comprador ter confiança na hora da decisão. Não se engane: o público brasileiro tem sim aderido ao comércio eletrônico (tanto que o faturamento cresce todo ano), mas ainda existe resistência. E uma questão que pesa bastante para essa desconfiança é a segurança. Então trate de oferecer a confiança necessária, especialmente na hora de realizar os pagamentos.

6. Ofereça canais de atendimento

Outra ótima oportunidade de transmitir segurança está na oferta de canais de atendimento. Lembre-se: a qualquer momento, o usuário tem que conseguir tirar suas dúvidas com facilidade, seja encontrando os dados que procura no rodapé do site, em uma página de contato específica ou por meio de um chat.

A lógica que passa pela cabeça dos consumidores é simples: sites que escondem dados ou dificultam o acesso a eles podem não ser confiáveis. Talvez pior que isso sejam só as lojas que não respondem e-mails nem atendem ligações ou que demoram longuíssimos dias para dar qualquer tipo de retorno. Tudo isso gera muitas desistências de compra.

Um atendimento ágil, educado e correto é capaz de aumentar a taxa de conversão da loja e até de reverter opiniões desfavoráveis, conquistando clientes que já estavam praticamente perdidos. Dispor de canais de atendimento adequados é primordial para quem pretende investir em estratégias de retenção, pois eleva o nível de satisfação dos consumidores.

7. Melhore a apresentação dos produtos

Verifique suas páginas de produto para identificar o que pode ser melhorado. Não se esqueça que elas são elementos-chave para os e-commerces por influenciarem diretamente nas decisões de compra. Basicamente, quanto mais informações você fornecer para um potencial cliente, mais seguro ele ficará para fechar negócio.

Então capriche nas descrições, dando o máximo de detalhes possível sobre os itens e usando seu know-how para mostrar os benefícios dos produtos. Mas é bom evitar copiar as descrições fornecidas pelos fabricantes, ok? Explore ainda outros conteúdos, como comparativos, guias e dúvidas frequentes, para deixar a página mais completa.

As fotos dos produtos são detalhes à parte, pois ajudam (e muito) a aumentar as conversões. Em linhas gerais, podemos dizer que elas devem ser bem produzidas, com boa iluminação e explorando diferentes ângulos das mercadorias. Mas atenção: elas nunca podem mascarar a realidade para não frustrar a expectativa dos clientes após a entrega.

8. Explore avaliações e recomendações

Opiniões de amigos, familiares e conhecidos influenciam bastante. Nesses casos, o pensamento costuma funcionar assim: se fulano, que é de confiança, diz que a loja X é boa, então também posso confiar. É por isso que você deve explorar as avaliações e recomendações sobre sua marca!

Quanto mais pessoas relatarem experiências positivas que tiveram com seu e-commerce, seja em relação a atendimento, entrega ou navegação no site, por exemplo, mais potenciais clientes você atrairá. As avaliações estão presentes em vários locais da web: em sites especializados, nas redes sociais, no Google e por aí vai. Mas você também pode usá-las nas páginas de produto, para o usuário ver quando já estiver mais próximo da conversão.

Assista ao Escola Responde e veja mais dicas sobre conversão e vendas:

9. Aproxime-se de seus clientes

Devido ao aumento do número de concorrentes no comércio eletrônico, o crescimento nas vendas acaba dependendo muito da capacidade da loja para superar as expectativas dos clientes. Para alcançar esse objetivo, não existe outra saída: você deve entender as demandas do público.

Quanto mais informações você conseguir reunir, mais chances terá de fazer ofertas adequadas, nos melhores momentos possíveis. Mas vá além dos dados sociodemográficos. como nome, idade, sexo e localização. Procure realmente se aproximar dos clientes para obter mais informações sobre suas preferências, seus hábitos de consumo de mídia e assim por diante.

Você pode usar a própria internet para fazer algumas pesquisas mais genéricas, porém, para ter acesso a informações mais específicas, nada funciona melhor que o e-mail. Com os recursos digitais de hoje, existem várias formas de conseguir esse endereço: por meio de formulários colocados no site, da realização de promoções nas redes sociais, de convites especiais no blog corporativo e muito mais.

Para incentivar os usuários a deixarem seu endereço, o ideal é que você ofereça algo em troca — que pode ser desde cupons de desconto até o envio de materiais educativos. O mais importante é pensar em algo que tenha valor para aquela pessoa, que realmente chame sua atenção.

10. Invista no e-mail marketing

Conseguiu e-mails de usuários genuinamente interessados no que você tem a oferecer? Então chegou a hora de criar campanhas para abordá-los com certa frequência. Por mais que muita gente teime em dizer que o e-mail está com os dias contados, a verdade é que ele funciona (e muito bem) para o comércio eletrônico. É, afinal, a chance de a loja ter contato direto com aquela pessoa, de fazer uma abordagem exclusiva.

Para ser eficiente, porém, o uso dessa estratégia demanda alguns cuidados. É imprescindível, por exemplo, obter a permissão das pessoas para aquele tipo de comunicação. Daí é que surge a recomendação de não comprar listas de contatos prontas. O ideal é construir seu próprio mailing a partir do emprego de boas práticas — como as citadas no passo 9.

Aqui, o planejamento das ações é fundamental para o sucesso da abordagem, uma vez que é crucial segmentar as mensagens, programando-as de acordo com as demandas específicas dos clientes. Se a pessoa já fez uma compra na sua loja, por exemplo, o ideal é que ela receba ofertas complementares. E por que não enviar materiais educativos para que ela aprenda a cuidar do item adquirido?

Pense que cada perfil de público precisa receber um tipo de mensagem e que, claro, o universo de assuntos a serem trabalhados é enorme, indo desde mensagens de felicitação em datas comemorativas a alertas sobre novidades da loja e lançamento de novas versões de determinado produto.

11. Diversifique sua comunicação

O e-mail é uma ferramenta que vai ajudar bastante em suas estratégias de comunicação sim, mas é importante manter outros canais ativos, como um blog corporativo. Nesse caso, a proposta é usar o endereço para publicar conteúdos de interesse do seu público. O blog é fundamental para a captação de novos clientes e para estreitar o relacionamento com os consumidores atuais. Além disso, ele ainda valoriza a presença digital da marca.

Uma ressalva: quem pensa que esse tipo de recurso é válido apenas para empresa de grande porte está muito enganado. Seja por meio do blog ou de posts nas redes sociais, é possível criar uma percepção positiva do seu negócio a partir da publicação de conteúdos de qualidade.

Ao executar uma estratégia de marketing de conteúdo, o principal é direcionar as mensagens pensando no estágio que aquela pessoa se encontra na sua jornada de compra. É importante, assim, produzir materiais tanto para quem está pesquisando sobre o assunto como também para quem já está na fase de finalização da compra.

12. Colabore com o usuário

Pode parecer óbvio falar sobre a necessidade de as lojas colaborarem com os usuários, mas a verdade é que nem todos os negócios focam, na prática, na satisfação do cliente. Muitas vezes até por falta de experiência, os gestores desenvolvem estratégias pensando em facilitar sua vida ou mesmo reduzir seus custos, deixando de lado as exigências dos consumidores.

É justamente isso o que acontece, por exemplo, quando a loja não disponibiliza formas de pagamento adequadas. Outra questão que interfere bastante é a necessidade de cadastro. Pense bem: hoje em dia, um grande número de pessoas tem conta nas redes sociais, certo? Então por que não usar o social login, que permite a integração dos dados? Pode acreditar: é alto o número de usuários que desiste da compra quando é obrigado a fazer um novo cadastro na loja.

Pensando ainda na experiência do usuário, cuide para que sua loja ofereça outras funcionalidades, como fácil acesso às páginas mais visitadas e busca simplificada — afinal, quem é que gosta de ter que preencher informações infinitas para fazer uma pesquisa na loja?

O que você tem que entender o quanto antes é que todas essas questões geram impacto direto nas taxas de conversão da loja. E pior que não realizar a venda naquele momento é descobrir que o cliente acabou indo para a página do concorrente, fechando negócio por lá.

Se você está buscando novas possibilidades de crescimento da sua loja virtual, preste atenção aos pequenos detalhes que podem fazer seu negócio perder ótimas oportunidades! Fique sempre de olho nas métricas, nos resultados e no comportamento do público para aprimorar sua experiência de compra e buscar melhorias.

Como já dissemos, entender o comportamento do usuário é primordial. O consumidor hoje é mais exigente e faz questão de ser tratado de forma personalizada. A boa notícia é que há recursos disponíveis para preparar esse tipo de abordagem. Basta, então, que o gestor entenda como é importante fazer a gestão do relacionamento com seus clientes.

Entenda: o sucesso de suas estratégias para aumentar taxa de conversão depende desse olhar mais atento voltado para todas as interações estabelecidas com o público. Da escolha da plataforma de e-commerce até as ações de comunicação, tudo impacta os resultados em termos de performance.

Por fim, se gostou do nosso post e quer saber mais sobre como desenvolver estratégias para ter uma loja virtual de sucesso, aproveite para aprender a montar anúncios no Facebook que geram conversão!

Ficou com alguma dúvida? Faça parte do nosso grupo no Facebook com especialistas em e-commerce e outros lojistas e envie sua pergunta.

Está pensando em criar uma loja virtual? Faça o teste e descubra se você está pronto!

8 passos para aumentar a conversão em lojas virtuais
Avalie esse artigo!

One thought on “8 passos para aumentar a conversão em lojas virtuais



Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10% de desconto
50% de desconto
10% de desconto
30% de desconto
20% de desconto
30% desconto
50% de desconto
20% de desconto
30% de desconto
50% desconto
30% de desconto
50% de desconto
Gire e ganhe desconto no ingresso
Digite seu endereço de e-mail e gire a roda. Esta é sua chance de ganhar descontos incríveis!

Escolha a cidade para o desconto!

Regras:
  • Uma chance por email
  • Não acumula para outra cidade
  • Enquanto durarem os ingressos free.