7 características que todo empreendedor digital deve ter
Conheça a nova Loja de Aplicativos da Tray

Como aumentar o tráfego orgânico da sua Loja Virtual em 7 passos

Publicado em: • Última Atualização:

Como só é possível vender se existirem pessoas para comprar, um dos principais objetivos das lojas virtuais é gerar tráfego para o site. Afinal, esse é o primeiro passo para gerar novos clientes! Com esse intuito, muitas empresas optam por investir em mídias pagas para atrair visitantes, o que representa uma solução mais rápida e prática. O problema é que pesa um pouco no bolso. Diante de um cenário de otimização de recursos, portanto, é o tráfego orgânico que tem recebido cada vez mais atenção.

Atrair visitantes sem precisar investir em mídia é mais trabalhoso e mais demorado, mas traz resultados sustentáveis. Quando seu site conquistar uma reputação consistente com o público, você dificilmente terá uma queda brusca no tráfego. Em se tratando de e-commerce, isso significa que você provavelmente não verá uma diminuição grande na taxa de conversão. Afinal de contas, juntamente com o tráfego, também crescem as vendas!

Interessado? Então fique de olho, porque neste post especial falaremos sobre como aumentar o tráfego orgânico da sua loja virtual. Mas entenda: estamos falando também em como melhorar os resultados de vendas e receita, viu? Vamos percorrer 7 passos essenciais para atrair visitantes organicamente para seu site, de maneira que você consiga construir autoridade na web e consolidar seu espaço no mercado. Acompanhe!

1. Otimizar o site

Não tem como fugir: hoje, a maior fonte de tráfego orgânico para um site é a busca do Google. Por isso, o Search Engine Optimization (SEO) deve ser o principal foco da sua estratégia. Mas se engana quem pensa que SEO envolve apenas uma questão técnica, de programação e desenvolvimento do site. Na verdade, a estratégia vai muito além.

Não por acaso, profissionais da área fizeram uma pequena adaptação na sigla, que reflete uma grande mudança de perspectiva. Agora, o famoso SEO é chamado por muitos de Search Experience Optimization: otimização da experiência de busca. Essa alteração mostra como o mercado vem acompanhando as atualizações do Google em relação a seus critérios de ranqueamento.

Nada mais de premiar sites feitos para robôs, o que já abriu muitas brechas para fraudes no passado. Hoje, o Google quer valorizar os sites focados nos usuários, para que eles tenham uma experiência positiva tanto no buscador quanto dentro das páginas. O objetivo é que encontrem o conteúdo desejado com a melhor qualidade possível.

Para isso, o algoritmo de ranqueamento passou por uma grande evolução, a fim de identificar as melhores páginas para cada conteúdo. Portanto, para aparecer entre as primeiras posições dos resultados da busca orgânica, você precisa mostrar ao algoritmo que realmente merece esse lugar. Mas como fazer isso?

SEO On-Page e Off-Page

Um projeto de SEO costuma ser dividido em 2 partes: On-Page e Off-Page. SEO On Page se refere aos elementos do seu site e das suas páginas, aqueles que estão sob seu total controle e ajudam o Google a interpretar seus conteúdos, indexando-os no buscador. Otimizar esses elementos é a base para o sucesso da sua estratégia de SEO.

Veja agora alguns dos principais fatores de ranqueamento On-Page que você pode trabalhar na sua loja virtual:

  • Título da página: mostra ao Google o assunto daquela página. Em uma página de produtos, por exemplo, o nome do produto deve obrigatoriamente aparecer no título.
  • Subtítulos: mostram ao buscador a hierarquia do texto e a organização da página. Isso acontece no código, por meio das tags h1 (para o título) e h2, h3 e h4 (para os subtítulos).
  • URL: também mostra o assunto principal da página, mas para isso precisam ser amigáveis. Em vez de site.com/produto.php?id=5, vá de site.com/maquina-de-lavar, por exemplo.
  • Conteúdo: o Google quer que o usuário encontre conteúdos originais, de qualidade e relevantes para o público.
  • Velocidade: se sua página demorar a carregar, muitos usuários fecharão a janela antes mesmo de ver seu conteúdo. Por isso, o Google valoriza sites rápidos.
  • Responsividade: já que seu site será acessado de diferentes dispositivos, você precisa oferecer uma boa experiência de navegação em qualquer tela.

Já o SEO Off-Page não está sob seu total controle, pois diz respeito aos links que você recebe de outros sites, mostrando ao Google sua autoridade no mercado. Basicamente, o buscador entende que, se você recebe muitos links de qualidade, isso significa que seu site é referência.

E por mais que esses links devam ser recebidos de maneira natural, por mérito do seu conteúdo, você pode usar a estratégia de link building. Como veremos mais adiante, isso estreita o relacionamento com outros players e incentiva que mais sites referenciem suas páginas.

2. Publicar conteúdo de qualidade

De nada adianta ter um site bem programado e tecnicamente otimizado se os conteúdos não forem bons para os visitantes. Lembre-se sempre: o Google quer que você ofereça a melhor experiência ao usuário dentro do seu site. E o que o usuário quer encontrar quando clica no seu link na página de resultados da busca? Algum conteúdo que responda à questão que digitou na barra de pesquisa. Assim, seu site conquistará tráfego orgânico se souber responder adequadamente às dúvidas de seus potenciais clientes.

Digamos que seu consumidor costuma buscar melhor notebook para games, por exemplo. Nesse caso, você pode desenvolver blog posts, e-books e infográficos especificamente sobre esse assunto. Se forem bastante visualizados e referenciados, esses materiais vão garantir uma boa posição para essa busca!

Personas

Para chegar nesse resultado, entretanto, é preciso conhecer seu público e desenvolver sua persona. Você conhece o perfil médio das pessoas que compram na sua loja? Muitas vezes, empreendedores confiam apenas em sua opinião e percepção para falar sobre o público que atendem. Mas é importante ir fundo nessa pesquisa, conhecendo não só o perfil demográfico desses usuários, mas também seu comportamento e estilo de vida, seus interesses e gostos, bem como suas necessidades, seus desafios e problemas.

Para saber de tudo isso, você pode conferir dados no Google Analytics, observar o comportamento dos visitantes no site, realizar questionários e entrevistar consumidores, entre outras ações. Depois, é hora de analisar essas informações. A melhor ferramenta para sintetizar a pesquisa e torná-la funcional para o restante do trabalho é a criação de personas.

Persona é a descrição fictícia de um cliente ideal da sua empresa, baseada nos dados reais que você já coletou nas pesquisas. Descreve objetivamente o perfil de uma pessoa: nome, idade, profissão, dia a dia, necessidades e como sua loja a ajudará. A persona se torna a base para a criação de conteúdos relevantes, pois permite você saiba com quem está falando e como pode ser útil para essa pessoa.

Além disso, a descrição de um cliente ideal ajuda a criar a imagem de uma pessoa real para quem você escreverá os conteúdos. E isso é muito mais eficiente do que escrever para um público genérico, não concorda? Por fim, só precisamos destacar que qualquer negócio pode ter múltiplas personas.

Blog

Depois de definir bem quem é seu público, chega a hora de efetivamente produzir os conteúdos. Em uma estratégia de marketing de conteúdo, a ferramenta mais importante é o blog. Com ele, você pode desenvolver materiais mais aprofundados, que respondam às dúvidas e atendam satisfatoriamente às necessidades dos usuários. Com conteúdos originais e de qualidade demonstrando seu domínio sobre temas da sua área de atuação, sua autoridade na web vai sendo construída pouco a pouco.

Imagine um consumidor que está começando a pesquisar sobre notebooks. Não coincidentemente, você tem um post no blog com um guia de compras, comparando diferentes opções do mercado. Você provavelmente aparecerá nos resultados daquela pesquisa, com um conteúdo bastante relevante para o que ele está buscando. Com isso, é bem possível que conquiste sua confiança para o momento da compra.

O blog serve, portanto, como um grande repositório para concentrar seus conteúdos e torná-los facilmente encontráveis pelos usuários. Afinal, eles serão indexados pelo Google para aparecer nas pesquisas correspondentes. Pronto para escrever?

3. Trabalhar com palavras-chave

O uso de palavras-chave também é uma estratégia de SEO que impacta na geração de tráfego orgânico. A pesquisa desses termos é, assim, um passo essencial antes de começar a produzir conteúdos, pois ajuda a identificar o que sua persona costuma pesquisar no Google e quais conteúdos você deve produzir para atraí-la. Para isso, é preciso compreender um conceito importante: toda compra é o resultado de um processo de decisão.

Jornada na teoria

Primeiramente, o consumidor identifica uma necessidade para depois pesquisar soluções para seu problema. Aí avalia as alternativas, seleciona as melhores opções de produtos e marcas e, finalmente, toma uma decisão. Esse processo pode durar pouco ou bastante tempo, dependendo da complexidade e do valor da compra. A compra de um carro, por exemplo, demanda muito mais tempo de pesquisa e avaliação que a de uma almofada.

Chamamos todo esse processo de jornada de compra do consumidor. E agora você precisa entender como funciona a jornada da sua persona! Mas o que isso tem a ver com palavras-chave? Em cada etapa, o usuário faz diferentes pesquisas no Google para tirar suas dúvidas. Ao identificar como ele realiza essas buscas, você saberá quais palavras deve explorar em seus conteúdos.

Jornada na prática

Para entender melhor, vamos usar o exemplo do notebook para games que já citamos há pouco, imaginando que você tem um e-commerce de eletrônicos. Como essa não é uma compra rápida nem impulsiva, existem várias etapas na jornada.

Em um primeiro momento, o consumidor pesquisa palavras mais genéricas, porque ainda não sabe bem o que suprirá sua necessidade. Termos como notebook, notebook para games ou computador para games aparecem nessa fase. Depois, avançando na jornada, as buscas tendem a se tornar mais específicas. Termos como melhores marcas de notebook para games ou como escolher notebook para games podem ser usados para amadurecer a decisão de compra.

Ao final, quando o usuário já está próximo de efetivar sua compra, as palavras costumam se relacionar à transação em si. Aí podem surgir notebook para games mais barato ou comprar notebook para games.

Depois de fazer um levantamento das palavras-chave que o consumidor usa em cada etapa, você pode produzir conteúdos que atendam a essas buscas e aparecer nos resultados do buscador ao longo de toda a jornada. Geralmente, os termos genéricos atraem maior volume de tráfego, mas geram menos conversões, pois o comprador ainda não está maduro. Já as palavras específicas atraem menos visitantes, mas costumam converter mais, pois o consumidor já está próximo da compra.

4. Usar diferentes formatos de conteúdo

Engana-se quem pensa que o tráfego orgânico é impulsionado apenas com a publicação de textos. Diferentes formatos de conteúdos podem sim potencializar a atração de visitantes! Pense bem: cada pessoa tem um comportamento diferente na hora de consumir conteúdos e absorver informações, certo? Por isso, alguns podem preferir ler, enquanto outros preferem vídeos, alguns gostam de imagens e outros, apenas de ouvir.

Assim, se você quer captar a atenção de cada vez mais pessoas, é preciso diversificar. Só dessa forma tem chance de atender aos gostos de um público maior. Diferentes formatos de textos, imagens, vídeos e áudios podem ser usados para isso. Veja algumas ideias que influenciam positivamente em um e-commerce:

Vídeos

Nas páginas de produtos, vídeos com demonstrações de uso tendem a aumentar consideravelmente a taxa de conversão da loja. Afinal, em um e-commerce, os consumidores não podem experimentar ou tocar nas mercadorias. Por isso, qualquer solução que ajude a materializar o produto aumenta a confiança para a compra. Além disso, vídeos também podem ser usados no blog e nas redes sociais para aumentar a proximidade com o público e humanizar a marca.

E-books

Posts de blog já são ótimas oportunidades para aprofundar assuntos que merecem mais detalhamento. Porém, às vezes é interessante criar um material ainda mais completo sobre determinado tema. Aí vêm os e-books, solução para quando você quer destrinchar um assunto sobre o qual tem domínio. Assim, seu material pode se tornar uma referência para amadurecer a decisão de compra dos consumidores.

Infográficos

Infográficos são maneiras criativas de transmitir informações com bastante apelo visual. Por geralmente lidarem com muitos dados, essas mesmas informações ficariam maçantes em forma de texto corrido. Se você trabalha com um produto ou um mercado mais complexo, os infográficos são interessantes para explicar didaticamente algum assunto e familiarizar o público com sua área de atuação. Se for bem produzido, esse material pode ser bastante compartilhado, divulgando sua marca na web.

E-mails

A sequência de e-mails é um formato mais recente, mas que tem bastante potencial. Trata-se do envio de uma série de e-mails englobando todas as informações necessárias para amadurecer a decisão de compra em relação a determinado produto. Para isso, é importante que os envios tenham uma sequência lógica, que acompanhe a evolução do consumidor durante sua jornada. As mensagens podem conter links para posts, e-books e outros materiais já produzidos, informando o destinatário sobre o assunto.

5. Conquistar links de qualidade

A popularidade de um site é um importante critério de ranqueamento para o Google. Por isso, é também um fator essencial para gerar tráfego orgânico! Como dissemos, se seu conteúdo tiver relevância e qualidade para o público, será naturalmente referenciado por outros sites e blogs que o considerem como referência. Mas você também pode criar ações que incentivem a geração de links para suas páginas! Essa prática é chamada de link building.

Quantidade

Quanto mais sites criarem links para suas páginas, mais relevância elas terão no ranqueamento dos resultados de busca. Porém, na evolução do algoritmo do Google, o buscador percebeu que quantidade não bastava. Considerar apenas o número de referências para uma página deixou o caminho aberto para práticas fraudulentas, que visavam apenas enganar o robô do buscador. Ao perceber isso, o Google passou a considerar não só a quantidade, mas principalmente a qualidade dos links.

Qualidade

Receber links de qualidade significa ser referenciado por sites de autoridade do seu mercado. Quando o buscador percebe essa conexão, parte da autoridade do site passa também para você. Com isso, suas páginas ganham relevância. Portanto, uma boa estratégia de link building não consiste em ganhar o maior número de menções possível. Na verdade, é preciso ser mais estratégico e focar na qualidade desses links.

Comece mapeando os principais sites do seu nicho, aqueles que já são considerados referências pelo público e pelo Google. A partir daí, comece a traçar sua estratégia para receber links desses sites. Nesse caso, o trabalho de assessoria de imprensa digital é uma boa solução para criar e fomentar o relacionamento com outros players do mercado. Assim, é possível criar parcerias de valor para todos os lados.

Você pode oferecer a produção de um post para o blog do parceiro, em troca de um link para seu site. Isso, claro, desde que o conteúdo seja relevante também para o público dele. Outra estratégia interessante é o co-marketing: você e outro negócio parceiro podem produzir um material em conjunto (como um e-book completo sobre a sua área de atuação) para atingir um público em comum, por exemplo. Assim, ambos compartilham dos resultados.

Com atitudes como essas, você conquista links de outros sites importantes, demonstra sua autoridade para o Google e ainda atrai o público do site parceiro para suas páginas. E tudo isso é feito de maneira orgânica!

6. Engajar o público

Anote aí: tráfego orgânico não se faz apenas com novos visitantes. Engajar o público que já comprou seus produtos alguma vez é também uma maneira extremamente eficiente de manter seu site movimentado sem precisar investir em mídia. Já ouviu dizer que conquistar um novo cliente é mais caro que manter um antigo? Pois é mais que verdade!

Afinal, com um novo público, você parte do zero para fazer todo o trabalho de encantamento e persuasão. Por outro lado, o público antigo já conhece a sua marca, já teve uma experiência de compra com você, já experimentou seu produto. Nesse caso, se você fez um bom trabalho na venda, a satisfação veio como consequência. Com esses clientes, você não precisa mais apresentar sua empresa e convencê-los a comprar. Agora, você deve apenas lançar mão de estratégias que os motivem a voltar.

Para isso, use diferentes canais de marketing digital para se manter em contato com o cliente, fazendo com que ele mantenha sua marca em mente para quando surgir uma nova necessidade de compra.

E-mail marketing

O e-mail marketing é um desses canais. Com uma proposta de proximidade com o usuário, o e-mail ajuda a estreitar o relacionamento. Afinal, trata-se de uma conversa específica entre você e o destinatário.

Então esqueça de uma vez por todas as práticas de SPAM! Você deve enviar apenas conteúdos para quem demonstrou interesse em receber seus envios — o que normalmente acontece com o cadastro do e-mail em um formulário no seu site. Esqueça também a abordagem puramente comercial. Seus conteúdos devem ser relevantes para as pessoas. Por isso, é essencial segmentar os envios de acordo com o perfil e os interesses dos destinatários.

Com essas estratégias, você consegue se manter ativo na mente das pessoas e, assim, apresentar novidades, ofertas e descontos, incentivando que voltem ao seu site e comprem novamente!

Redes sociais

Outro canal importante são as redes sociais. Com elas, você também consegue manter o relacionamento vivo com os consumidores, além de divulgar links dos seus conteúdos e ampliar seu alcance. Durante o dia a dia, eles verão seus posts e manterão sua marca na lembrança.

Além disso, essas plataformas oferecem a oportunidade de reforçar seu posicionamento nos posts, seja como uma marca descontraída, elegante, popular ou luxuosa. Assim você consegue, aos poucos, aumentar ainda mais a identificação com seu público.

7. Incentivar recomendações

Seus clientes podem voltar a fazer negócio com você, mas eles também podem ajudar a atrair novos visitantes para o e-commerce usando sua rede de contatos. Por mais que o marketing e a publicidade tenham evoluído muito nas últimas décadas, uma coisa nunca mudou: o poder do boca a boca para divulgar produtos e marcas. É fato: confiamos muito mais na opinião de outros consumidores que em anúncios publicitários.

Com as redes sociais, os consumidores ganharam ainda mais voz para compartilhar suas experiências com lojas, produtos e marcas — sejam elas positivas ou negativas. Assim, a opinião alheia (até mesmo de desconhecidos) se fortalece como influenciadora. E o que você pode fazer para se beneficiar disso? Incentive que os compradores da sua loja escrevam recomendações na internet divulgando a marca dentro da sua rede de contatos.

Atendimento

Para gerar avaliações positivas, você primeiramente deve primar por um atendimento de excelência. Por mais que problemas aconteçam com qualquer negócio, a maneira de resolvê-los é que influencia a percepção dos consumidores. Se você dedica atenção a cada cliente para resolver dúvidas e problemas na hora de comprar na sua loja, provavelmente deixará uma impressão positiva.

Avaliações e recomendações estão por toda a web: nos perfis pessoais e páginas de negócios das redes sociais, nos resultados da busca do Google, em blogs, em sites especializados e nos próprios sites das empresas. Você pode explorar todas essas opções para gerar recomendações positivas para sua loja e, assim, atrair visitantes e fortalecer sua reputação em diferentes canais.

Pós-venda

Para isso, a abordagem pós-venda é bastante eficiente. Alguns dias depois de o cliente ter recebido o produto do seu e-commerce, envie um e-mail perguntando se deu tudo certo com a compra e se ele poderia deixar uma avaliação em um dos canais disponibilizados. Não custa nada, demonstra cuidado, abre o diálogo e ainda pode trazer inúmeros benefícios para seu e-commerce!

Atualmente, o tráfego orgânico deve estar na mira de qualquer e-commerce. Em um cenário de competitividade e otimização de recursos, não precisar investir em mídia para atrair visitantes é uma grande vantagem. Mas nesse post você pôde perceber que não basta publicar conteúdos e esperar por visitas.

Várias ações precisam ser realizadas para impulsionar esse tráfego, sendo que um fator une todas elas: o foco na experiência do consumidor. Oferecendo uma boa experiência com sua marca, desde a busca até o pós-venda, todo o trabalho que falamos neste post será potencializado. E você certamente perceberá os resultados!

Assista ao Escola Responde e veja mais dicas sobre tráfego para loja virtual:

 

Quer continuar recebendo dicas para melhorar sua loja virtual? Então acompanhe nossas publicações no Facebook, no Twitter e no LinkedIn!

Ficou com alguma dúvida? Faça parte do nosso grupo no Facebook com especialistas em e-commerce e outros lojistas e envie sua pergunta.

Está pensando em criar uma loja virtual? Faça o teste e descubra se você está pronto!

Como aumentar o tráfego orgânico da sua Loja Virtual em 7 passos
Avalie esse artigo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *